Autores Posts porJornal O DIABO

Jornal O DIABO

Jornal O DIABO
1003 POSTS 0 COMENTÁRIOS

0 195

A corrupção não é um fenómeno novo em Portugal. Depois do período dos descobrimentos, que foi antecedido por um rico período de introspecção nacional centrada na procura do conhecimento, de D. João I a D. João II, foi a corrupção que perdeu Portugal e conduziu à sua decadência. Apesar disso, talvez nunca como hoje a corrupção tenha sido entre nós um fenómeno tão generalizado e tão transversal às elites políticas e empresarias, mas também ao funcionalismo, ou tenha sobrevivido tanto tempo e com tamanha protecção e impunidade.

Refiro-o para afirmar a importância da decisão que agora se aproxima, no caso do processo Marquês e do julgamento de José Sócrates, Ricardo Salgado e companhia, que espero se siga. Não sendo jurista, mas estando razoavelmente bem informado, acredito que a maioria dos réus serão considerados culpados e espero pelos santinhos que as penas sejam de tal forma pesadas que resultem num forte efeito pedagógico sobre a sociedade e sobre a política portuguesa no sentido da mudança. Caso contrário, na possibilidade de o julgamento se enredar na teia das controvérsia jurídicas, uma possibilidade não desprezível, o País ficará desprotegido por muitos anos, bem como a esmagadora maioria dos portugueses que sofrem nas sua vidas os efeitos da corrupção e das crises mais ou menos permanentes em que temos vivido.

Neste caso do processo Marquês as pressões são enormes, em todos os sentidos, e os portugueses ficam com uma enorme dívida de gratidão aos homens que até agora resistiram e perseveraram na procura da verdade, mas não sabemos ainda nada quanto ao futuro e não podemos estar seguros quanto às fases seguintes. Seja como for, neste meio tempo de expectativa, arrisco-me a usar uma frase batida, para afirmar que nunca tantos deveram tanto a tão poucos.

Se e quando a acusação chegar, como parece certo que chegará, no banco dos réus sentar-se-ão não apenas alguns homens e mulheres, mas o próprio sistema partidário, que tendo concentrado em si todo o poder político, vai agora a julgamento. E no caso de uma condenação, espero que terminemos de vez com a hipocrisia dos que ficaram à porta a trabalhar arduamente para baralhar a opinião pública e evitar o que parece ser razoavelmente inevitável.

Até agora, a defesa de José Sócrates tem-se limitado, essencialmente, a uma frágil e grotesca argumentação processual, que em si mesma é reveladora da incapacidade de justificar e debater os factos conhecidos do processo; e suponho que assim continuará. O que não é pouca coisa, se pensarmos como e por quem são feitas as leis em Portugal e sobre o poder político e económico de muitos daqueles que estão nervosamente de fora a assistir. E se bem os entendo, o ataque à justiça portuguesa continuará a ser a sua única forma de defesa.

É agora absolutamente essencial que todos os erros e todos os crimes que os diferentes poderes partidários trabalham afanosamente para esconder – na Caixa Geral de Depósitos, no BPN, no Banif, no Montepio, na PT, na Ongoing, nas parcerias público-privadas e nas ‘offshores’ – vejam finalmente a luz do dia e os responsáveis sejam acusados e punidos, política e judicialmente. Só assim, depois de uma avaliação livre e suficientemente detalhada, só depois de todos os responsáveis serem conhecidos e julgados, só então a democracia portuguesa poderá ultrapassar as consequências trágicas da promiscuidade entre a política e os negócios e, desejavelmente, entrar numa nova fase, em que o interesse nacional seja finalmente colocado à frente dos interesses particulares.

Será então o tempo certo para a refundação dos partidos políticos portugueses e para criar as novas leis eleitorais há muito devidas, de forma a permitir que os portugueses participem no processo democrático e os governos passem a ser verdadeiramente fiscalizados por deputados livres, honrados e responsáveis.

Os pacóvios lusitanos continuam a apostar no turismo, turismo que encarece o custo de vida dos portugueses, que lhes rouba as casas, que expulsa os idosos dos centros urbanos, que invade, polui e destrói, que enriquece uns quantos, ao mesmo tempo que destrói a paz e o sossego de um povo.

Hordas de hunos ululantes, uns de pé descalço, outros atraídos pelas campanhas do turismo homossexual que consideram Lisboa e Porto capitais gays europeias, todos ávidos de agitação, de propostas imaginativas, mas falsas como as do pastel de bacalhau com queijo da serra ou letreiros de falsas lojas históricas para turista ver com datas afixadas também falsas, enquanto o verdadeiro comércio histórico, a começar por livrarias e alfarrabistas, são expulsos por empresários sem escrúpulos, gananciosos alicerçados na lei das rendas da senhora Cristas que tão bem serve os Medinas deste mundo na senda da descaracterização, no desenraizamento, na destruição do verdadeiro tecido urbano, substituindo a população local por turistas de curta duração mais os velhos reformados franceses que deixam de pagar impostos quando se mudam para Portugal, sem no entanto terem contribuído para os sistemas de saúde, de recolha do lixo, dos transportes públicos, de manutenção das ruas ou da segurança de que se servem, sobrecarregando todos os portugueses. Os políticos vão vendendo alegremente Portugal a retalho com a desculpa de aumentarem o emprego desqualificado e mal pago da criadagem que serve o turista.

A Islândia tem dado bons exemplos no passado, nomeadamente na defesa dos costumes e interesses nacionais. Prepara agora um imposto pesado sobre o turismo. Vejamos o que diz Thordis Gylfadottir, ministra do Turismo islandesa, como pudemos ler no ‘Diário de Notícias’:

“O sector, e todos nós, tem de ter cuidado para não se tornar uma vítima do próprio sucesso”. “Para isso, o governo tem em vista duas opções: por um lado, aumentar os impostos aplicados ao sector; por outro, bloquear por completo o acesso aos espaços mais populares do país. A ministra apela aos parceiros do governo e à indústria do Turismo para serem corajosos e lembra que algumas zonas simplesmente não têm capacidade para receber um milhão de turistas todos os anos”. “Se permitirmos estes números em terminadas áreas vamos destruir o que hoje as torna especiais – autênticas pérolas da natureza que fazem parte da nossa imagem e que nos ajudam a vender”.

Consideramos as propostas dos islandeses como extremamente acertadas, o mesmo se diria de Lisboa e Porto. O modelo de desenvolvimento do país não deve passar por vender o mesmo aos estrangeiros e a fomentar emprego desqualificado da criadagem. Deve passar pela qualificação, pela investigação de ponta, pelas invenções e patentes, pelas indústrias e serviços tecnológicos de altíssimo valor acrescentado, pela produção de produtos de luxo e de altíssima qualidade, deve passar pela inovação na produção de energia e na tecnologia.

O turismo deve ser apenas e só um complemento não massificado de altíssimo valor acrescentado, dirigido às classes mais elevadas e pequeno número, de forma a não descaracterizar e destruir as cidades expulsando os verdadeiros habitantes para a periferia, para a exclusão e miséria.

Ponham os olhos na Islândia.

0 134

O Clube dos Pensadores festeja no próximo dia 27 de Março o seu 11º aniversário. Criado pelo biólogo Joaquim Jorge para valorizar e promover o debate de ideias, o Clube já realizou 114 debates, essencialmente sobre política, mas não deixando de abordar outros temas da sociedade.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa que já esteve no CdP, informou Joaquim Jorge de que vai gravar uma mensagem para essa data. Joaquim Jorge convidou ainda para estarem presentes o presidente do Grupo Parlamentar do CDS, Nuno Magalhães; António Tavares, do PSD e Provedor da Santa Casa da Misericórdia do Porto; Paulo Morais, ex-candidato a Presidente da República; Manuel dos Santos, eurodeputado do PS; João Semedo, ex-líder do BE; e António Filipe, vice-presidente do Grupo Parlamentar do PCP. Numa futura oportunidade, Joaquim Jorge tenciona convidar para a iniciativa os pequenos partidos que não têm assento no Parlamento.

O debate de aniversário terá início às 21h30m, no Hotel Holiday Inn de Gaia. O Clube dos Pensadores permite que flua o livre intercâmbio de opiniões, por muito antagónicas e irreconciliáveis que pareçam, e acabou por se instituir como espaço público, num confronto de ideias salutar, em que não há verdades absolutas.

0 276

VASCO CALLIXTO

Os portugueses da América celebraram a 15 de Março o “Dia de Pedro Francisco”, o português dos Açores que o destino levou menino para o outro lado do Atlântico e veio a ser um destacado herói da guerra da independência norte-americana.

Quando da minha última viagem por estradas da costa leste dos Estados Unidos, desde Boston até à Florida, procurei conhecer os locais relacionados com a acção deste nosso compatriota que fez publicar livros, erguer monumentos e  emitir selos em sua homenagem.

E em Portugal, quem conhecerá Pedro Francisco?  Muito poucos, por certo. Bom seria que os feitos  dos portugueses além fronteiras, fossem dados a conhecer no País onde nasceram.

Um livro publicado em 1980 nos Estados Unidos, “Peter Francisco – The Portuguese Patriot”, conta a história do herói português que ficou conhecido como “O Golias da Revolução” e foi distinguido pelo general George Washington.

Nascida em 1760, em Porto Judeu, na ilha Terceira, uma criança veio aí a ser raptada e posteriormente abandonada na costa norte-americana pelos seus raptores. Quando foi encontrada por uma boa alma que a recolheu, apurou-se que a criança era de origem portuguesa, teria 5 a 6 anos de idade e terá sabido dizer que se chamava Pedro Francisco.

Não só  no citado livro, mas também em outras obras, incluindo o meu “Portugal na Costa Leste dos Estados Unidos”, a história de Pedro Francisco é pormenorizadamente relatada. Armando de Aguiar também se lhe refere em “O Mundo que os Portugueses criaram”.

Quando em 1775 começou a luta pela independência das colónias inglesas da América, Pedro Francisco, com 16 anos de idade, tinha um corpo de gigante e uma força invulgar. Media quase dois metros de altura e pesava 118 quilos. Foi dos primeiros a alistar-se para lutar pelo separatismo da Inglaterra. E logo se destacou nos primeiros combates. Usava uma espada especialmente feita para ele. Em lutas corpo a corpo, derrotava todos os seus adversários.

Combatente de oito batalhas, na batalha de Guilford Courthouse, na Carolina do Norte, o bravo soldado português matou com a sua espada onze soldados inimigos. Na batalha de Camden teve também uma notável acção. Arrastando sozinho um canhão de 550 quilos, ditou a sorte da luta e salvou ainda o comandante do seu batalhão. Tantas foram as proezas do bravo soldado-gigante, que algumas entraram no domínio da lenda.

Quando a guerra terminou, Pedro Francisco começou por ser ferreiro na Virgínia e mais tarde transformou-se em abastado lavrador. Ainda em vida, foi considerado “Benemérito da Pátria” pelo Congresso dos Estados Unidos. Faleceu em 1831, com 70 anos de idade.

Foi numa pequena cidade de Massachussets, Ludlow, que primeiro se me apresentou Pedro Francisco, num belo quadro, no Grémio Lusitano local, identificado como “Peter Francisco, Hercules of the American Revolution”. E oportuno será referir que foi o Estado de Massachussets que insituiu o “Dia de Pedro Francisco” em 15 de Março, quando se comemora a citada batalha de Guilford Courthouse, em que o nosso compatriota se destacou.

Em Newark, no Estado de Nova Jersey, no Largo Peter Francisco, revelou-se-me um obelisco em cuja base se lê, em inglês, “Em honra de  Pedro Francisco, o Hércules da independência americana”.

Situam-se na Carolina do Norte e na Virgínia os locais que melhor evocam a acção de Pedro Francisco.

Na cidade de Greensboro fui conhecer o Parque Nacional Militar, consagrado à já citada batalha de Guilford Courthouse, travada naquela área. Lá está um “Monumento da Cavalaria”, vulgarmente chamado “The Francisco Monument”, construído em 1909. Ostenta uma placa com os seguintes dizeres: “A Pedro Francisco, um gigante em estatura, força e coragem, que aniquilou nesta batalha onze soldados inimigos com a sua própria espada, tornando-se talvez o mais famoso soldado raso da guerra da independência”.

No Centro de Visitantes do mesmo Parque Militar, Pedro Francisco está presente em dois quadros, num dos quais é apresentado em acção bélica, referindo-se que a sua grande espada lhe foi oferecida por George Washington. Numa vitrine apresenta-se um par de grandes sapatos e um estojo de barba, objectos que foram oferecidos a Pedro Francisco em homenagem “ao seu valor  moral e ânimo”.

Passando ao Estado de Virgínia, na cidade de Hopewell, no subúrbio de City Point, uma placa dá a saber que “Pedro Francisco foi aqui desembarcado em 1765”, mais se referindo que era o “One Man Army” de George Washington. No centro da cidade, um busto recorda o herói que em criança ali foi desembarcado. Surpreendente, uma das principais artérias de Hopewell ser o “Prince Henry Avenue”.

Em Richmond, capital da Virgínia, faleceu Pedro Francisco. À entrada do cemitério local, uma placa em forma de seta com o nome  Peter Francisco, orienta o visitante para a campa mais procurada. Numa coluna, uma inscrição revela  o nome e a data da morte de quem ali repousa, completando-se com um esclarecimento: “Um  Soldado de Fama Revolucionária”. Quando Pedro Francisco  faleceu, era sargento-de-armas da Câmara Estadual de Deputados.

Grande figura do primeiro capítulo da história dos Estados Unidos da América,  Pedro Francisco bem merecia que os portugueses da América oferecessem uma estátua do herói luso-americano  à cidade de Lisboa. A benéfica União Portuguesa Continental, associação com sede em Boston, que instituiu o “Prémio Pedro Francisco”, poderia tomar tal iniciativa.

0 723

JOSÉ FIGUEIREDO

PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

Depois de ter beneficiado de ventos muito favoráveis no último ano, o Governo de António Costa é desafiado pelo Presidente da República a ser mais ambicioso na economia. Logo agora, quando já se avistam sinais perturbadores de que o temporal se aproxima…

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, parece agora exigir que o Governo de António Costa seja mais ambicioso, colocando até uma fasquia de crescimento económico anual acima dos 2%.

Entretanto, os EUA têm registado um crescimento económico ao longo dos últimos anos acima dos 2%.

Para o Presidente Trump, este nível de crescimento é excessivamente moderado, colocando como desafio, para a sua presidência, um nível superior a 3% ao ano.

Decididamente, o desafio de Donald Trump é diferente do que tem pela frente António Costa. O Primeiro-Ministro de Portugal beneficiou até de ventos muito favoráveis. Assim, analisemos os seguintes factos:

  • Se observarmos a Tabela 1, verificaremos que Portugal apenas registou um crescimento económico superior a 2% em 2007, ao longo de um período de 10 anos.
  • Em 2016, ano de responsabilidade integral de António Costa, Portugal ficou aquém dos 2% de crescimento económico, apesar das imensas condições favoráveis a nível internacional, como seja o preço do barril de petróleo estar abaixo dos 50 dólares, e a relação euro/dólar encontrar-se historicamente no seu patamar inferior (1 euro=1,10 dólares).
  • Leia este artigo na íntegra na edição impressa desta semana.

0 3375

MANUEL BERNARDO

CORONEL DE INFANTARIA

Em 16 de Março de 1974 (completam-se este mês 43 anos), um grupo de oficiais ‘spinolistas’ saiu à rua numa tentativa abortada para derrubar o regime então vigente: foi a chamada “intentona das Caldas”. Ultrapassados pouco depois pela ala esquerdista do Movimento dos Oficiais das Forças Armadas que tomou nas mãos o golpe de Estado, esses oficiais viram frustrada a sua esperança numa solução para o Ultramar que não implicasse a entrega dos territórios de África ao domínio soviético. Mais de quatro décadas depois, O DIABO desafiou o Coronel Manuel Bernardo a recordar o 16 de Março de 1974 respondendo à pergunta: teria sido realmente possível uma “alternativa” ao 25 de Abril que permitisse “outra solução” para o Ultramar, que não aquela que foi depois adoptada pelo MFA? Neste artigo, o conceituado analista e escritor de temas político-militares sopesa os vários factores em jogo e responde.   

“Quando fui para a Guiné (1968), no tempo do Dr. Oliveira Salazar, tive uma grande conversa com ele, que me surpreendeu extraordinariamente […]. O problema não tinha solução militar”.

General António de Spínola, in Manuel A. Bernardo, “Marcello e Spínola/A Ruptura”, pág. 204.

*

“Quando regressei de Moçambique, em Agosto de 1973, depressa eu e outros generais nos convencemos da incapacidade crescente do Presidente Marcello Caetano relativamente ao enfrentar dos problemas nacionais de então e, nomeadamente, do problema ultramarino”.

General Kaúlza de Arriaga, in Manuel A. Bernardo, “Memórias da Revolução”, pág. 117.

*

“Na madrugada do 25 de Abril de 1974 […], a guerra do Ultramar não estava ganha, mas muito menos estava perdida […]. Era muito diferente a situação na Guiné, em Angola e em Moçambique. Difícil na Guiné; complicada circunstancialmente em Moçambique; quase arrumada – a nosso favor – em Angola”.

Historiador Jaime Nogueira Pinto, na sua obra “O Fim do Estado Novo e as Origens do 25 de Abril”, pág. 39.

*

“A descolonização foi feita na defesa dos interesses políticos e estratégicos da União Soviética, dos seus aliados e dos seus movimentos no terreno. Foi contra os interesses permanentes de Portugal, contra os portugueses residentes em território sob nossa administração e contra os interesses das suas populações”.

Major-General Manuel Monge, in Manuel A. Bernardo, “Memórias da Revolução”, pág. 559.

*

Para maior esclarecimento dos leitores, irei tentar ampliar o pensamento manifestado pelos três generais acima referidos em relação ao tema, e por mim entrevistados para os livros indicados, assim como o do historiador (também combatente na fase final da guerra) Jaime Nogueira Pinto.

António de Spínola

António de Spínola considerava ter sido surpreendido por Salazar na conversa acima referida, nomeadamente pela abertura que este manifestou em relação à guerra decorrente na Guiné. E mais à frente, nesta entrevista que me concedeu na sua residência, acrescentou:

“Tinha já tido a minha experiência de Angola. Foi aí que me apercebi da impossibilidade de resolver o problema do Ultramar português pela via exclusiva da guerra […]. Entendi que era chegada a altura de lhe fazer uma crítica frontal à sua política ultramarina. Os grandes países não tinham conseguido resolver situações idênticas. E nós, então orgulhosamente sós no mundo, jamais poderíamos levar avante uma solução utópica”.

Depois, ainda segundo António de Spínola, este colocou três condições ao Presidente do Conselho (Salazar) para aceitar o cargo de Governador e Comandante-Chefe da Guiné para que fora convidado: ter elementos na equipa da sua exclusiva escolha; montar uma emissora de rádio na Guiné; e que “se os problemas não fossem resolvidos com a celeridade exigida para um território em guerra, ele estaria autorizado em dirigir-se directamente a Salazar”. Este terá aceitado estas condições e perguntado: “Então quando é que embarca?”.

  • Leia este artigo na íntegra na edição impressa desta semana.

1 2351

O Executivo liderado por António Costa prepara-se para passar um cheque de cinco mil milhões dos nossos euros à CGD, mas não quer que os deputados saibam porquê. Entre os documentos em causa exigidos pela Assembleia da República encontra-se a lista de maiores devedores em incumprimento – algo que se revelou uma autêntica “caixa de pandora” deixada em legado pelo Governo de José Sócrates.

O banco do Estado gasta, e nós pagamos. Mas pagamos por quê? Isso é que não sabemos, pelo menos ainda não. Em troca do cheque chorudo que os deputados, em nome dos portugueses, vão enviar para recapitalizar a Caixa Geral de Depósitos, o que foi exigido foi que se conhecesse detalhadamente a razão para a Caixa precisar de mais dinheiro.

A saber: as informações que os tribunais decidiram que a Caixa tem de entregar são a lista detalhada dos 50 maiores devedores à instituição, incluindo a informação sobre quem decidiu atribuir esses créditos; a lista dos 50 maiores calotes e o plano para reaver o dinheiro (caso exista); uma lista dos 50 grupos económicos que mais devem ao banco do Estado; a lista de quem deve mais de cinco milhões de euros à CGD; e ainda uma lista de quem tem calotes superiores a um milhão de euros.

António Costa e Mário Centeno, no entanto, rejeitaram imediatamente a ordem da Justiça, considerando o ministro das Finanças que a revelação de tais informações representa “uma quebra de confiança irreversível num negócio que assenta nesse pressuposto”, tendo apelado para o Supremo Tribunal de Justiça no sentido de desobrigar o Governo de abrir mão dos preciosos dados.

  • Leia este artigo na íntegra na edição impressa desta semana.

0 158

EVA CABRAL

Em ano de eleições autárquicas, o Executivo PS resolveu avançar com um pacote de descentralização que não mereceu o apoio dos partidos de extrema-esquerda que o suportam, nem tão pouco da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) liderada pelo autarca socialista Manuel Machado. Os municípios exigem agora que o Governo de António Costa faculte os documentos de suporte para a análise de cada um dos sectores a serem objecto de descentralização.

Depois de um sonoro não de rejeição da proposta de serem as câmaras a avaliar os edifícios para efeitos de IMI, pois são a entidade beneficiária deste imposto municipal, a ANMP reuniu o seu Conselho Directivo da Associação e “decidiu, de forma unânime, reclamar do Governo” a “calendarização das reuniões” dos grupos de trabalho para a descentralização de competências para as autarquias e a disponibilização dos “documentos de suporte necessários à análise de cada um dos sectores descentralizáveis”. O aviso foi deixado pelo presidente da ANMP, Manuel Machado, que apesar de ser autarca socialista não está disposto a ficar colocado perante factos consumados.

Recorde-se que em Setembro de 2016 foram criados seis grupos de trabalho para estudar a descentralização nas áreas do ambiente e do mar, da educação, da saúde, do trabalho, solidariedade e segurança social, das finanças e dos assuntos gerais. São os documentos produzidos por estes grupos que a ANMP agora exige.

A tomada de posição da ANMP surge na sequência da análise que fez à versão final da proposta de lei que estabelece o quadro de transferência de competências para as autarquias locais e para as entidades intermunicipais, referiu Manuel Machado, que falou aos jornalistas depois de ter participado na reunião do Conselho Directivo da Associação, realizada na sua sede, em Coimbra.

“Infelizmente, os grupos de trabalho, do lado do Governo, ainda não nos apresentaram a documentação, pelo que voltamos a insistir que é imperioso” que o façam para que “o trabalho decorra com eficácia e lealdade negocial”, sustentou Manuel Machado.

“É indispensável que os serviços do Estado nos facultem os documentos de suporte ao mesmo tempo que está em discussão a lei geral [de transferência de competências para as autarquias locais] na Assembleia da República”, sustentou.

“É uma reclamação que fazemos com veemência porque de Setembro até agora passou muito tempo, o trabalho avançou pouco e é necessário que avance com dinamismo diferente, para que o processo [de descentralização] seja construtivo e partilhado”, concluiu Manuel Machado.

  • Leia este artigo na íntegra na edição impressa desta semana.

1 5850

Na terça-feira da semana passada Jaime Nogueira Pinto preparava-se para fazer uma palestra sobre “Populismo ou Democracia: O Brexit, Trump e Le Pen”. O evento estava previsto para a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova, na Av. de Berna, em Lisboa, e seria organizado pelo grupo “Nova Portugalidade” cujo presidente é Rafael Pinto Borges, jovem que não esconde a sua admiração por Salazar.

Uma Assembleia Geral de Alunos, com cerca de trinta alunos (!), convocada pela Associação de Estudantes em cima do acontecimento, e provavelmente composta de apaniguados da direcção da mesma Associação, votou uma moção propondo que não se atribuísse uma sala para a realização da palestra do pensador Nogueira Pinto, aliás um confesso admirador de Salazar. Segundo o próprio Nogueira Pinto afirmou, “a Direcção da FCSH da Universidade Nova de Lisboa, perante as ameaças da direcção da Associação de Estudantes, de orientação maoísta, decidiu suspender a Conferência que se ia realizar”.

O director da instituição é o professor Caramelo, que já tem levado demasiada pancada nos órgãos de comunicação social, do ministro Manuel Heitor e do próprio Presidente da República, para que nós nos preocupemos aqui com a sua eventual falta de espinha dorsal.

Os argumentos para a censura dos maoístas da Nova, para a destruição do debate livre, para a cocção sobre a liberdade de expressão estavam relacionados com “colonialismo, fascismo, que a palestra violava a Constituição, etc…”.

A questão para nós mais interessante é outra. As esquerdas encontraram uma fotografia do jovem Rafael Pinto Borges a depositar flores na campa de António Oliveira Salazar. Chamando imediatamente fascista ao jovem da Nova Portugalidade, acharam por bem afirmar que “coarctou-se a liberdade de expressão mas aquilo era organizado por fascistas”… como se a liberdade de expressão não fosse um direito absoluto.

Chegamos assim a Salazar. Basta um jovem depositar flores na campa de alguém que governou Portugal por mais de quarenta anos para imediatamente ter menos direitos do que os outros. A esquerda totalitária quer proibir a memória, o respeito devido aos grandes do passado, com os defeitos que possam ter tido no seu tempo, ou a oração pela sua Alma. O problema é que, com todos os seus defeitos, nomeadamente o seu totalitarismo, o Professor Doutor Salazar foi um governante excepcional e um estadista de grande vulto, um dos três estadistas do século vinte português onde se destaca à frente de El-Rei D. Carlos e do Professor Catedrático de Coimbra e também major Sidónio Paes.

Hoje em dia louva-se a educação do regime pós vinte e cinco de Abril, mas esquece-se a plêiade de excepcionais ministros da educação nacional escolhidos por Salazar e Caetano. Destaco Francisco de Paula Leite Pinto, brilhante cientista e engenheiro, Veiga Simão e Hermano José Saraiva. Salazar combateu radicalmente o analfabetismo em Portugal, mais ainda do que durante a monarquia e que o regime democrático apenas continuou sem acrescentar muito. Veja-se o quadro seguinte em que se mostram os números do analfabetismo desde 1890 até 2011. O número 1 corresponde a 1890 e seguem-se por décadas: 5 corresponde à década de trinta em que Salazar começou efectivamente a governar e 10 a 1981, primeiro dado da democracia. Salazar consegue reduzir o analfabetismo de 65% em 1920 para 25% em 1974.

Tabela do autor

O regime passa de uma população brutalmente analfabeta para uma pequena minoria constituída sobretudo por idosos que já não podiam regressar à escola. Afinal, a grande surpresa é esta: Salazar foi um paladino da educação. Note-se que Álvaro Cunhal conseguiu, enquanto preso, defender uma tese em Direito em que defendia teses opostas às preconizadas pelo regime. Hoje em dia, uma tese a defender Salazar seria simplesmente banida pelos caramelos do politicamente correcto.
Agradeço a conversa com António Brotas, antigo secretário de Estado do Ensino Superior, socialista, que me indicou estes factos e números.

CAPA

SIGA-NOS