Assunção Cristas entrou com vigor na campanha eleitoral, desafiando o apagado e furtivo Fernando Medina para um debate nas televisões nacionais. Teresa Leal Coelho formaliza esta semana uma candidatura que se tem pautado pelo uso estudado dos ‘timings’ e dos temas. O autarca socialista da capital deixou de ter sossego.

A grelha de partida para as autárquicas na capital está praticamente completa. Falta apenas que o PSD formalize a sua candidatura (o que deverá suceder ainda esta semana) para que o centro e a direita se apresentem em pleno ao eleitorado, num leque de oferta que vai de Joana Amaral Dias (“Nós, Cidadãos!”) a José Pinto Coelho (Partido Nacional Renovador), passando por Teresa Leal Coelho (Partido Social Democrata) e Assunção Cristas (Centro Democrático Social/Partido Popular). À esquerda, perfilam-se as candidaturas de João Ferreira (CDU-comunistas), Ricardo Robles (Bloco de Esquerda), Inês Real (PAN-animais) e Fernando Medina (Partido Socialista). Como “independente” apoiado pelo PDR e pelo JPP concorre ainda o ex-autarca socialista Carlos Teixeira.

Em termos práticos, o combate pela presidência da Câmara da capital será travado pelos candidatos apoiados pelos “três grandes” (PSD, PS e CDS), embora a votação nas candidaturas menos visíveis possa vir a ser decisiva nos arranjos pós-eleitorais com vista ao governo do concelho.

Os partidos do centro-direita decidiram, desta vez, não gastar cartuchos antes de tempo. Embora se soubesse há muito que Teresa Leal Coelho e Assunção Cristas estariam na corrida, só no final da última semana a líder do CDS-PP formalizou a sua candidatura, enquanto a apresentação oficial da lista do PSD deverá acontecer ainda esta semana.

Assunção Cristas “entrou a matar”, quinta-feira à noite, numa sessão de apresentação, na Estufa Fria, ao Parque Eduardo VII, em que predominavam os jovens. O autarca socialista Fernando Medina foi o “bombo da festa”, com Cristas a desafiá-lo a prestar contas de uma governação “obscura, pouco transparente”, e de uma “política desastrosa” no trânsito, na área social e na habitação. “Desafio Fernando Medina para um debate televisivo”, lançou Cristas. “Estamos fartos de ter uma Câmara obscura, pouco transparente, que decide em cima do joelho, que não fala com ninguém e que não sabe explicar, porque não tem como explicar, o que se passa nesta cidade”.

  • Leia este artigo na íntegra na edição impressa desta semana.
COMPARTILHAR
  • Bob, o enrabador

    Eu voto nestas duas MILFetas !