NUNO ALVES CAETANO

Portugal não tem que agradecer nenhuma liberdade, nem nenhuma democracia ao 25 de Abril. O regime de terror estalinista que se seguiu – perseguições individuais, roubos, ocupações de terras, nacionalizações, prisões arbitrárias, exílio forçado de milhares de pessoas, assassinatos e julgamentos sumários realizados nos estabelecimentos de ensino, estabelecimentos militares e empresas, resultando sempre na “condenação” dos arguidos à pena de “saneamento” – só começou a ter fim em 25 de Novembro de 1975. Honremos os que deram a vida nesse dia em defesa de um Portugal independente.

É sempre importante e indispensável não permitir que o dia 25 de Novembro, politicamente, seja esquecido, passando a figurar somente como um dia do calendário gregoriano.

A teia esquerdista, sempre organizada e sempre pronta a branquear o que convém cair em esquecimento, conseguiu que este importante dia para a nossa História e para a Terceira República seja votado ao ostracismo, com o ignóbil aval das restantes forças políticas, sempre amedrontadas e receosas das reacções, por vezes violentas, vindas das bandas esquerdistas.

Todos sabemos que foi neste dia de 1975 que, graças sobretudo aos Comandos, mas também a outras forças militares que tiveram a coragem de apoiar o povo português, por vezes de forma “silenciosa”, que se sublevava contra a hegemonia comunista imposta desde o 25 de Abril, que a democracia (chamemos-lhe assim…) se implementou em Portugal.

Sobretudo no Norte do País, a acção de diversas Unidades foi fundamental para o êxito da operação. Contudo, há que reconhecê-lo, sem a participação dos Comandos dificilmente se tinha conseguido a vitória. Isto é unanimemente reconhecido, reflectindo-se directamente na associação e conexão que se faz entre o nome do seu Comandante, Jaime Neves, obviamente odiado pela esquerda, e esta data.

Portugal, ao contrário do que uns tipos licenciados em História, arvorados em ‘historiadores’, escrevem, não tem que agradecer nenhuma liberdade, nem nenhuma democracia ao 25 de Abril. A esta data tem que cobrar a hedionda “descolonização exemplar”, que provocou mais de um milhão de refugiados e dois milhões de mortos, e um regime auto-proclamado de democrático mas que entre o dia 25 de Abril de 1974 e o dia 25 de Novembro de 1975 se pautou por comportamentos estalinistas – perseguições individuais, roubos, ocupações de terras, nacionalizações, prisões arbitrárias, exílio forçado de milhares e milhares de pessoas, assassinatos e julgamentos sumários realizados nos estabelecimentos de ensino, estabelecimentos militares e empresas, resultando sempre na “condenação” dos arguidos à pena de “saneamento”.

  • Leia este artigo na íntegra na edição impressa desta semana.
  • Paulo Reis

    A descolonização, tal como foi feita pelo Dr Mário Soares, foi um crime contra as tropas portuguesas e contra a Nação. Esse “grande democrata” desarmou as tropas portuguesas e abandonou-as á sua sorte, no meio de uma guerra civil e anti portugeses. Mas a história um dia á de se lembrar. Ainda ningem teve coragem de ensinar a estas gerações o que foi o 25A. Talvez um pouco por vergonha, pois o que contam por aí não é a verdade. O 25A foi uma revoslta militar, para tentar acabar com a guerra colonial, depois é que houve o aproveitamento e o regime acabou por cair nas mão de um grupo de militares e civis de esquerda. A ultima vez que ouvi a filha do Sr Capitão Salgueiro Maia falar na tv ela bem o disse. “Se o meu pai soubesse para que tinha servido o 25 de Abril, nunca tinha saido de Santarem”, depois disso nunca mais foi entrevistada, pois a tão falada liberdade de expressão só foi conquistada para se poder ofender os fracos, nunca para falar dos fortes.