No dia 15 de Junho, finalmente, o português médio começou a ganhar dinheiro para si mesmo: até então, e desde o primeiro dia de Janeiro, tudo o que recebeu foi derretido em impostos. Em Portugal, quase metade dos salários são “nacionalizados” pela classe política em impostos sobre o trabalho. E nestas contas não entram o IVA, o imposto sobre combustíveis, etc, etc. É pagar e não bufar!

Em cada dez euros que um trabalhador português recebe da entidade patronal, pelo menos quatro euros são consumidos pela máquina fiscal em impostos directos, e mais um tanto terá como destino os impostos indirectos. Esta carga fiscal significa que se estima que, de 1 de Janeiro até 15 de Junho, os trabalhadores portugueses estiveram, em média, a trabalhar para o Estado. Noutros termos: quase metade dos rendimentos do trabalhador médio em Portugal é todos os anos nacionalizado pela classe política. Algo realmente digno de um país cuja constituição afirma que o objectivo nacional é “abrir caminho para uma sociedade socialista”…

Os mais recentes números da OCDE revelam que Portugal é um dos países do mundo com maiores cargas fiscais sobre os rendimentos do trabalho. Na demanda por aproximar Portugal das “finlândias” deste mundo, a classe política aumentou desmesuradamente a despesa pública, e mesmo depois da austeridade aplicada tanto por Passos Coelho como (disfarçadamente) por Costa, o Estado vai precisar de 87 mil milhões de euros para se manter a funcionar. Esse dinheiro, como esperado, vem dos bolsos dos portugueses. Em IRS vão cobrar-nos 12 mil milhões de euros, o que parece bastante, mas quase que nem paga os juros da dívida; e em Segurança Social, que é paga tanto pelo patrão como pelo empregado, o Estado vai encaixar 22 mil milhões de euros.

  • Leia este artigo na íntegra na edição impressa desta semana.
  • Anibal Martins

    Não votem em corruptos…Votem em INDEPENDENTS NAS PROXINAS AUTÁRQUICAS !: A solução é votar na alternativa …

    Um Triângulo no poder a destruir Portugal durante décadas: PSD – PS – CDS!

    – O PSD, CDS, PS, PCP, BE, CDU, VERDES, etc. são todos muito amiguinhos…dá-nos razão de pensar que todos estes Partidos Politicos estão controlados por uma Seita secreta.

    – Que faz destes Partidos todos, um só Partido…O Partido da Seita???

    – Quem afirma que o anti – partidarismo é uma demagogia, não passa de carneirada que só consegue agir sob a santíssima doutrina da disciplina partidária que tantas votações tem infectado na Assembleia da República.

    – Negar a escolha do Deputado em que quer votar ou entrada do cidadão independente no exercício parlamentar é negar a própria essência da democracia, uma vez que o deputado é suposto ser um cidadão eleito pelo povo para o representar, e não um indivíduo eleito por um partido que empurra para a frente quem melhor serve os seus propósitos.

    – Limitar a eleição de deputados a partidos significa a manutenção do ambiente controlado em que a anti-democracia (?) se sustenta.

    – Significa que o poder é algo somente acessível a elites altamente sofisticadas e selecionadas, como “DR’s, ENG’s e AMIGOS”.

    – O comum mortal, perdeu o seu direito a igualdade perante a Democracia…Como Pedreiro, Padeiro, Empreiteiro ou Calceteiro.

    – O povo já está farto, começam a aparecer brechas no sistema, com a eleição do primeiro PRESIDENTE DA REPUBLICA “Marcelo Rebelo de Sousa” e “Tino de Rans” – o Calceteiro ambos sem apoio dos partidos.

    – No entanto para se candidatarem como Deputados os partidos não os deixam e não podem!

    – Coisa que tanto a Democracia prega, igualdade para todos???

    – Por favor, não misturem a rematadíssima estupidez dos eleitores com esta questão.

    Primeiro:- Nas próximas Eleições vamos começar por mudar Portugal – votemos sempre em “INDEPENDENTES” de partido…nas próximas Eleições Autárquicas e Europeias

    Segundo:- Vamos começar por pedir para poder votar em independentes nas legislativas.

    Nunca mais VOTAR no PSD ou PS, CDS, PCP, BE, CDU, VERDES, etc…etc.

    – Votem sempre em INDEPENDENTES nas autárquicas e Europeias, pouco a pouco os Partidos irão começar a perder o controle que eles teem e exercem no parlamento!

    ENQUANTO NÃO APARECER UM PARTIDO A PROMETER UM REFERENDO NACIONAL PARA PODER VOTAR EM INDEPENDENTES NAS LEGISLATIVAS COMO SE FAZ NAS AUTÁRQUICAS.

    ENQUANTO ISSO NÃO ACONTECER EM PORTUGAL NADA VAI MUDAR, OS CORRUPTOS CONTINUARAM?