O Mundo e os animais

0
1021

Houve um terrível atentado em Nice, um animal investiu com um camião contra as pessoas que passeavam ao fim do dia 14 de Julho depois dos fogos-de-artifício que celebraram o dia nacional de França.

O assassino não era um islamita radical: bebia, jogava, não ia à mesquita, era um louco ressabiado contra o mundo. Resolveu usar a carnificina como forma de se afirmar e se fazer conhecer perante esse mesmo mundo onde, miserável, não passava de mais um verme no meio de outros vermes, não percebendo a grandeza de que todo o ser humano, mesmo o mais humilde, tem dentro de si.

Se esse animal sem nome vivesse no meio do Estado Islâmico, infiel como sempre foi ao Islão, seria certamente decapitado. Mas os selvagens aproveitaram-se do acto de barbárie e reivindicaram o crime em seu nome, o mais fácil no fim de contas.

Erdogan

Se não foi preparado pelo próprio presidente turco Erdogan, o atabalhoado golpe de estado na Turquia serviu-lhe maravilhosamente. Culpa o seu inimigo moderado islâmico Fethullah Golen, afasta os seus seguidores e todos os inimigos que lhe restam do exército, despede sumariamente 3.000 juízes e magistrados, reintroduz a pena de morte.

Esta será muito útil, assim pensa Erdogan, para lidar contra os curdos, que se diga, são barbaramente reprimidos pelo Estado turco e que há muitos anos merecem o direito a ter um país independente que a Turquia continua a negar, como continua a negar a existência do genocídio arménio, um crime monstruoso que os pais da Turquia moderna cometeram, e que tão útil seria hoje repetir contra os curdos se o pudessem conseguir sem que a comunidade internacional o impedisse.

Erdogan, acusado de corrupção, conivente com o tráfico de petróleo do daesh, conivente com o tráfico de armas, reforça assim o seu poder, massacra os seus adversários, julga-os sumariamente, sem direitos nem garantias, por juízes às suas ordens, uma vez expulsos os independentes, que são vistos como inimigos.

O bombardeamento ridículo do parlamento, com meia dúzia de petardos fumarentos, faz lembrar, mas não se assemelha de perto, o incêndio do Reichstag, esse sim um instrumento de manipulação política perfeito e bem organizado. Alguém poderá acreditar que o bem organizado exército turco entraria numa manobra trapalhona como o pseudo-atentado de Sexta à noite? E alguém acredita que passadas duas horas do “regresso” de Erdogan já existissem listas com 3.000 juízes que tinham colaborado com o golpe?

Sucessos desportivos

Mais um título de campeões europeus, dezoito anos depois, desta feita em hóquei em patins. Notáveis feitos dos atletas portugueses vão deixar contentes as fábricas de medalhas para os lados de Belém mas, sobretudo, todos os portugueses que têm rejubilado com a glória desportiva que eleva a auto-estima do País quando se fala de sanções injustas e mesmo criminosas por parte das ridículas, mas perigosas, instâncias europeias.

Animais

Já me esquecia: o PAN quer banir carroças, charretes e outros veículos animais. Quer também proibir o hipismo. Isto porque tratamos os animais como seres inferiores aos humanos e não devíamos fazer trabalhar os animais! As questões de segurança elencadas são ridículas e servem apenas para ornamentar o ramalhete. O assunto é tão irrelevante como o PAN. Fica o comentário para quem o quiser fazer, que o autor já não tem paciência.

COMPARTILHAR