Manifesto Anti-Zé (Sá Fernandes)

Manifesto Anti-Zé (Sá Fernandes)

0 918
RENATO EPIFÂNIO

Em anteriores eleições, José Sá Fernandes foi eleito vereador da Câmara Municipal de Lisboa na lista do Bloco de Esquerda, sob o inesquecível ‘slogan’ “o Zé faz falta”. Tendo-se também entretanto desagregado do Bloco, foi de novo eleito, nas últimas eleições, na lista do Partido Socialista, encabeçada por António Costa. Enquanto vereador dos Espaços Verdes, tem assumido posições marcantes – primeiro, autorizou o aluguer de um jardim da cidade para o lançamento de um automóvel; agora, recusou-se publicamente a preservar o jardim da Praça do Império, em frente do Mosteiro dos Jerónimos – sendo que a grande questão está nos seus brasões, alegadamente “sinais do colonialismo” (cf. “Público”, 27.08.2014).

É caso para dizer que, de facto, “o Zé faz falta”. Ao contrário de muitos outros – que pensam o mesmo mas não o assumem –, ou ainda da maioria (sobretudo da nossa juventude) – que parece ser indiferente à nossa memória histórica –, José Sá Fernandes assume claramente os seus propósitos. Saudemo-lo por isso – apesar da colossal ignorância, do tamanho do próprio Mosteiro dos Jerónimos. Sobretudo num ano em que se assinala o centenário do início da I Guerra Mundial, só, com efeito, uma pessoa colossalmente ignorante pode insistir numa identificação, esta assumida de forma menos clara, entre o colonialismo e o Estado Novo, quando a defesa das ditas “colónias” foi o móbil maior da nossa participação nessa Guerra – algo que, na altura, sem que haja qualquer exemplo comparável, não apenas fez (quase) o pleno entre republicanos, como ainda entre republicanos e monárquicos.

Sabendo isto, talvez agora José Sá Fernandes se lembre de “não preservar” os muitos monumentos republicanos que pululam pela cidade. O Mosteiro dos Jerónimos, esse, claro está, fica igualmente condenado à “não preservação” – assim como o Padrão dos Descobrimentos, para mais projectado pelo autor da Praça do Império (Cottinelli Telmo). E por que não estender essa brilhante lógica a todo o país? Se António Costa se lembrar de convidar José Sá Fernandes para próximo Ministro da Cultura (o que não parece de todo inverosímil), há aqui um vasto programa de “não preservação” a cumprir, por esse país fora. Para mais, quando se sabe, ‘a priori’, que “a cultura está com António Costa”. Será mesmo esta a sua concepção de “cultura”?! Tomando como exemplo o nosso Zé, não há dúvidas.

Com ele, ficará ainda condenado à “não preservação” o próprio ideal da Lusofonia – decerto, também um “sinal do colonialismo”. Melhor fora, com efeito, que não existissem mais povos, por esse mundo fora, a falar a nossa língua – isso sim, seria um bom sinal. Agora haver mais de duzentos milhões de falantes de língua portuguesa à escala global, só pode ser lido como um sinal – mais do que um sinal, uma prova viva – de que houve, de facto, um Império. Decerto, poderemos olhar para esse Império de diversas formas: ou como uma espécie de “pecado original”, que nos faz depois amaldiçoar o próprio ideal da Lusofonia; ou como um processo histórico que, por vezes de forma violenta, como acontece sempre em todos os processos históricos, nos permite, ainda assim, construir um futuro comum, numa base de liberdade e de fraternidade. Escusado será dizer que para mim a Lusofonia é isto mesmo. Por isso mesmo, porém, não faço tábua rasa da nossa História. Nem destruo jardins.