soares martinez - CARA copy Pedro Soares Martinez

Há gerações que, por orgulho, ignorância e inconsciência, se convencem, ou se deixam convencer, de que todas as coisas surgiram, de novo, simultaneamente com o nascimento dessas mesmas gerações. Ou que, pelo menos, com esse seu nascimento, tudo se transformou radicalmente.

Os maliciosos aproveitam tal tendência para alcançarem benefícios sem justa causa, por via da remoção de regras qualificadas de anacrónicas. Assim se traçaram as tentativas orientadas no sentido de, renegando as “trevas medievais”, dar amplitude fantasiosa a um suposto inteiro renascimento da Antiguidade greco-romana.

Também houve quem situasse novos e ilusórios renascimentos na Revolução Francesa, nos saldos das Grandes Guerras, ou nos das revoluções de 5 de Outubro e de 25 de Abril. Multiplicaram-se os enganos e as desilusões de tal jaez, que, felizmente, para a conservação das sociedades humanas, nunca afectaram profundamente o bom senso popular, mais ou menos imutável, na observância dos costumes enraizados pela natureza das coisas.

5 de Outubro de 1910
5 de Outubro de 1910

É inegável, e evidente, em qualquer sociedade, uma constante movimentação de circunstâncias e situações. Num sentido evolutivo ou num sentido involutivo, conforme os casos. E também muitas regras se têm de alterar, em função das mutações de condicionalismos. Mas não aquelas que foram impostas pela natureza, pela essência, das coisas e dos homens, ou, para quem negue essa essência, por persistentes sequências existenciais.

Essas têm de ser respeitadas, sem o que trágicas perturbações atingem todo e qualquer equilíbrio social, em consequência do seu desrespeito. Nenhuma sociedade sobrevive negando alguns princípios fundamentais reflectidos nas normas dos enunciados de deveres, comuns às mais diversas religiões e civilizações, resumidas em “não matarás”, “não roubarás” e “honrarás a palavra dada”. E essa sobrevivência dependerá não apenas da afirmação, mais ou menos solene, de tais preceitos, cuja observância tem de ser garantida por múltiplas normas, tanto preventivas como repressivas, e de comportamentos factuais que assegurem o respectivo cumprimento.

  • Leia este artigo na íntegra na edição impressa desta semana.

ARTIGOS SIMILARES