ODIABO600x200

John C. Edmunds, Charles Winrich e Mark F. Lapham

No terceiro e último artigo sobre o envelhecimento da Europa e o que é preciso fazer para garantir a preservação do nível vida actual, os três prestigiados académicos norte-americanos apresentam uma solução para compensar a derrapagem: aproveitar o valor cada vez maior dos activos financeiros detidos pelos idosos.

Identificados os desafios que se colocam às economias europeias, convém analisar um factor muito positivo mas frequentemente ignorado: os níveis cada vez elevados de activos financeiros da Europa em geral e, em particular, dos países que compõem a amostra do nosso estudo (Portugal, Bélgica, Estónia, Grécia, Itália e Polónia).

O valor dos activos financeiros totais aumentou de forma significativa desde 2009, e mais ainda se tomarmos como ponto de partida 2002 – e continuava a subir no momento da elaboração deste estudo, em meados de 2015. Em Portugal, por exemplo, o valor das acções, obrigações e activos bancários era 4,77 vezes o PIB em 2013. Em Itália, esse valor correspondia a 4,8 vezes o PIB.

Uma verba impressionante

Supondo que 90 por cento desses activos financeiros são propriedade de pessoas com idade superior a 50 anos, o resultado é uma verba impressionante para cada pessoa desse escalão etário que está reformada ou em vias de passar à reforma. Vale a pena calcular quanto é que cada reformado poderia acrescentar ao seu rendimento através da venda desses activos financeiros. O número é surpreendentemente alto, o suficiente para suavizar os anunciados cortes nas pensões pagas pelo Estado. Os idosos de hoje não têm um futuro sombrio pela frente – mas terão que, gradualmente, ir liquidando os seus activos financeiros. Se, além disso, também venderem as suas casas e mudarem para apartamentos mais pequenos, ou se forem viver para países de climas mais quentes, o seu património acumulado chega e sobra para cobrir os cortes nos seus orçamentos mensais.

A acumulação surpreendente de activos financeiros é um elemento novo – e crucial – neste debate.

  • Leia este artigo na íntegra na edição impressa desta semana.