LATEST ARTICLES

0 135
A indefinição estratégica em que vivemos, combinada com um certo voluntarismo modernizador, auto-suficiente e impreparado, arruinou o nosso País e empobreceu a generalidade dos portugueses.

1 428
Ficamos com a típica anedota lusitana protagonizada por luminárias como Catarina Martins, Marco António Costa, Rui Rio, Paulo Rangel e outros, a defenderem todas as cidades e lugarejos menos Lisboa!

0 142

0 538
É líder do CDS-PP e encabeça a coligação “pela Nossa Lisboa” que junta CDS-PP, MPT e PPM na corrida à Câmara da capital. Há meses no terreno, Assunção Cristas respondeu a um questionário elaborado por Eva Cabral, e dividido claramente em duas partes: a Política e a Vida. São vinte perguntas sobre um exercício de equilíbrio que uma determinada e sorridente mulher escolheu para a Política e para a Vida.

1 2753
No dia 15 de Junho, finalmente, o português médio começou a ganhar dinheiro para si mesmo: até então, e desde o primeiro dia de Janeiro, tudo o que recebeu foi derretido em impostos. Em Portugal, quase metade dos salários são “nacionalizados” pela classe política em impostos sobre o trabalho. E nestas contas não entram o IVA, o imposto sobre combustíveis, etc, etc. É pagar e não bufar!

0 289
Neste caso estrambólico, em que um “conflito Norte-Sul” encobre uma guerra política que agitou a última semana, Rui Moreira desmente sem margem para dúvida: a comissão que supostamente avaliou a candidatura tinha na designação uma referência inequívoca à instalação “na cidade de Lisboa”.

1 427
O Estado tem pena dos inquilinos, mas “obriga” os senhorios a terem de abrir o porta-moedas para, por “caridade”, aguentarem rendas baixas mais anos. O Estado tem pena mas não é ele que paga. Uma República das bananas, o reino da geringonça.

0 121
Já aqui desmontámos a falácia (ver edição online de 18 de Março último) de que foi o 25 de Abril que acabou com o...

0 230

1 3019
Digam lá quem é amiguinho, quem é? O Partido Socialista, que há dois anos estava à beira da bancarrota, já “só” deve 20,7 milhões de euros aos credores, graças a uma “renegociação da dívida” feita por Luís Patrão, ex-chefe de gabinete de José Sócrates e hoje o homem-forte do cofre socialista.

CAPA

SIGA-NOS