Mr. Turner

Mr. Turner

0 788

Pinceladas de génio

PAULO FERRERO

“Mr. Turner” marca o regresso de Mike Leigh às longas-metragens, após quatro anos de interregno, e ao século XIX da rainha Vitória, onde já não ia desde o alucinante “Topsy-Turvy” (1999).

Marca ainda o reencontro do cineasta do realismo britânica com o também fabuloso, e tão ‘sui generis’, actor Timothy Spall. E, tal como fez com a dupla Gilbert & Sullivan, Leigh volta a conseguir um filme de época meticuloso, de detalhes, assente numa inabalável consistência narrativa, em diálogos perfeitos e numa encenação primorosa.

Ao homem por detrás do mais romântico e “impressionista” dos paisagistas ingleses. Ao ser humano nos antípodas da sofisticação sensível que as cores, a luz e a sombra inconfundíveis e filtradas dos seus quadros nos transmitem.

O Joseph Mallord William Turner que Leigh filma e Spall compõe na perfeição, é uma personagem truculenta, egoísta, excêntrica, animalesca e lasciva, em certa medida um ogre, que rumina palavras mudas e emite sons guturais e tempestuosos, que não hesita em ignorar e maltratar as próprias filhas.

Quiçá porque o filme só retrate os anos finais do pintor de génio, ou porque, simplesmente, foi esta na realidade a outra face do artista, alguém que, por sinal, fez questão de legar parte do seu pecúlio à academia das artes e as suas obras ao Estado para serem apreciadas por todos e num só local, o que não aconteceu, aliás.

“Mr. Turner” é um belo filme, em que cada plano é uma tela, aguarela ou óleo, pouco importa, que no final fará o espectador ir a correr ler tudo sobre a vida e obra do pintor.

Um filme de cenas memoráveis, como aquela em que, transbordando romantismo, Turner e os amigos foliões presenciam o rebocador puxando o velho navio de Nelson, metáfora de um mundo que já foi e um outro que está para vir (está muito bem conseguida a faceta pró-industrial de Turner); ou aqueloutras passadas na galeria de Soane (hoje casa-museu), em que Turner enxovalha Constable e torce o nariz aos pré-rafaelitas.

“Mr. Turner” é, enfim, mais que um filme sobre uma pessoa, é um filme sobre os elementos e sobre paisagens, barcos e mastros, e, tal como a sua pintura, maioritariamente sublime.

  • Título original: Mr. Turner
  • Realização: Mike Leigh
  • Com: Timothy Spall, Paul Jesson, Dorothy Atkinson
  • GB, 2014, 150 min.
  • Estreia: 25 de Dezembro de 2014.

ARTIGOS SIMILARES