Sono de Inverno

Sono de Inverno

0 903
Sonho em sono de inverno

PAULO FERRERO

O tempo passou e nesta altura é extremamente difícil apurar, de memória, se a Palma de Ouro de Cannes de 2014 foi ou não justamente atribuída a “Sono de Inverno”, tendo em conta a concorrência directa, ou se o prémio foi só para homenagear os 100 do cinema turco (e, por arrastamento, o seu teatro, se pensarmos que o protagonista tem entre mãos a escrita da História do Teatro Turco…). Pouco importa.

O que importa é que “Sono de Inverno” é um filme belíssimo sobre o amor, fogo que arde sem se ver, como diria o poeta, lentamente, no microcosmos de um actor reformado, junção de dois universos, o real e o ficcional, entre nevoeiros e neves, mas também entre duas Turquias, a ocidental e a oriental, respectivas morais, maneiras de ser e de sentir.

Um filme que fala da velhice e a loucura (como lembra o protagonista no final) – não é por acaso que nos créditos finais se referem os nomes de Chekov e Dostoievksy, mas também de Shakespeare. Inclusive, não ficaria mal uma referência à poética japonesa.

Nova grande obra de Nuri Bilge Ceylan (a mais recente tinha sido “Era Uma Vez na Anatólia”, em 2011) em honra de um grande país chamado Turquia, e mais uma vez com a câmara assombrosa de Görkhan Tiryaki. Desta vez com acompanhamento ao piano da 20.ª sonata de Schubert, e logo por Alfred Brendel.

Os actores são brilhantes e há cenas intimistas memoráveis como a da discussão entre marido e mulher, no quarto desta, ou a da ida daquela a casa dos inquilinos para ver o menino doente. Ou aqueloutra na casa do amigo do actor, com o professor, os três bastante tocados. Mas a haver uma cena para a posteridade, essa só pode ser a da captura do cavalo selvagem, pelo simbolismo e pela premonição.

Pergunta-se: será que “Sono de Inverno” seria a maravilha filosófica que é se não o tivesse sido naquele cenário lunar da Capadócia, naquelas estepes que Gogol não desdenharia? Talvez não. Mas as coisas são como são. E estas mais 3h e 17’ passam num ápice – haverá melhor indicador para um filme?

  • Título original: Kis uykusu
  • Realização: Nuri Bilge Ceylan
  • Com: Haluk Bilginer, Melisa Sözen, Demet Akbag
  • ALE/TAI/FRA, 2014, Cores, 196 min.
  • Estreia: 8 de Janeiro de 2015.

ARTIGOS SIMILARES