diaboJOSÉ ALMEIDA

Recentemente publicado, numa parceria entre o Labirinto de Letras Editores e a Fundação António Quadros Edições, o livro “António Quadros e António Telmo, Epistolário e Estudos Complementares” presta um valiosíssimo contributo para o estudo biográfico de dois dos mais influentes discípulos de Álvaro Ribeiro e José Marinho, bem como para o desvendamento de algumas questões relacionadas com o Grupo da Filosofia Portuguesa.

Fruto de um trabalho de hermenêutica e exegese protagonizado por Mafalda Ferro, Rui Lopo e Pedro Martins, este volume compila, aproximadamente, três décadas de trocas epistolares entre os autores de “Portugal, Razão e Mistério” e de “História Secreta de Portugal”. Lado a lado com Pinharanda Gomes, António Braz Teixeira, ou Orlando Vitorino, António Quadros e António Telmo representam duas das figuras mais influentes do Grupo da Filosofia Portuguesa. As suas obras, essencialmente dedicadas a Portugal e a temáticas filosóficas, culturais, históricas e esotéricas, têm vindo a influenciar várias gerações de portugueses, de forma directa ou indirecta.

Tal como aconteceu com a publicação do volume da correspondência entre Álvaro Ribeiro e Delfim Santos, editado pela Fundação Lusíada em 2001, este epistolário de António Quadros e António Telmo reflecte também um profundo olhar crítico sobre Portugal e o seu lugar no mundo. As análises de ambos os interlocutores demonstram as suas preocupações e angústias, mas indicam também caminhos de esperança, sugerindo soluções e vivificando sonhos de um futuro maior há muito profetizado para Portugal.

As páginas deste livro testemunham, para além da amizade destes dois pensadores, a urbanidade com que trocavam os pareceres das leituras das suas obras, sem qualquer tipo de ocultação face às diferenças de pensamento e de posicionamento relativas a determinadas matérias. Assim, podemos até sublinhar o modo como cada um colocava a tónica nessas mesmas diferenças, abraçando-as como complementos para uma perspectivação integral de um conhecimento que ambos procuravam.

Neste trabalho são ainda dignos de nota os contributos de António Carlos Carvalho e João Ferreira, outro nome histórico da Filosofia Portuguesa, autor da obra seminal “Existência e Fundamentação Geral do Problema da Filosofia Portuguesa”. O primeiro abre o livro com um prefácio intitulado “Um Encontro de Almas”, o segundo encerra-o com um posfácio sobre “As Cartas de António Quadros e António Telmo”. O levantamento da correspondência compilada neste livro é apresentado com bastantes notas e comentários permitindo, até aos leitores menos familiarizados com alguns dos nomes ou problemáticas citadas, uma total compreensão e acompanhamento dos assuntos tratados.

Para além de estar redigido em bom português, pré-AO90, este livro de quase 300 páginas conserva ainda as grafias utilizadas por ambos os autores nas suas trocas epistolares. Obra de importância histórica, peca apenas pela falta de um índice onomástico que, face ao vasto conjunto de nomes e matérias tratados, constituiria por certo um importante instrumento para futuras consultas sistemáticas por parte de investigadores e estudiosos que, certamente, encontrarão neste livro um importante manancial de fontes e informações relativas à cultura portuguesa da segunda metade do século XX.

COMPARTILHAR