Guerra: “a mãe de todas as coisas”

Guerra: “a mãe de todas as coisas”

0 1117

 

183189_192161620808568_6202532_nDUARTE BRANQUINHO

O mais recente número especial da revista francesa de divulgação histórica “La Nouvelle Revue d’Histoire”, dirigida por Philippe Conrad, à venda no nosso país, tem como tema “o eterno retorno da guerra” e conta com diversos artigos de especialistas e entrevistas com militares. Com a qualidade a que nos tem habituado, esta é mais uma edição desta publicação de referência a não perder.

Antes de uma série de artigos que analisam a evolução da guerra ao longo da História, podemos ler um excelente entrevista com o General Vincent Desportes, que afirma que “a História das guerras é a História do mundo” e que, contrariando os que acreditam no “fim da História” decretado pela ilusão do fim da Guerra Fria, considera que a guerra está de volta e assume formas inesperadas.

De entre os vários artigos publicados nesta edição, destacam-se, “A pré-história da guerra”, assinado pelo director da revista, “A guerra nas antigas sociedades indo-europeias”, por Henri Levavasseur, “O modelo ocidental da guerra”, por Mathilde Tingaud, “A cavalaria ou o modelo medieval da guerra, pelo medievalista Bernard Fontaine, ou “A escola francesa da contra-insurreição”, por Mériadec Raffray.

Explorando outros aspectos da guerra, há a referir os artigos “Guerra industrial, guerra total”, de Philippe Conrad, e “A permanência da guerra económica”, do geopolitólogo Pascal Gauchon. Numa interessante perspectiva cultural, refiram-se também os artigos “A Grande Guerra dos escritores”, por Philippe Colombani, e “Como o cinema vê a guerra”, por Philippe d’Hugues.

A guerra, segundo Heraclito, é “a mãe de todas as coisas” e, como escreve Philippe Conrad no editorial deste número, “está omnipresente em todas as épocas no conjunto das sociedades humanas e comanda as grandes rupturas que, da conquista romana ao choque das cavalarias medievais ou às batalhas do Grande Século, determinam os destinos do mundo”. Neste tempo de “anestesia” da Europa, nada melhor que recordar as valiosas lições da História.

ARTIGOS SIMILARES