Caçar votos a prometer a descida dos impostos

0
652

As matérias fiscais são sempre o grande cavalo de batalha dos partidos do centro e do centro-direita, e todos apostam em caçar votos nas legislativas de Outubro com a promessa de baixar a carga de impostos. Mas a promessa de um choque fiscal para dinamizar a economia, e dar melhores condições de vida aos contribuintes, tem sido repetida ao longo dos anos, para logo de seguida ser normalmente bastante esquecida pelos sucessivos governos.

A excepção à regra de ouro da demagogia fiscal foi a proposta de baixa faseada do IRC negociada por António José Seguro e Pedro Passos Coelho, e que António Costa ‘matou’ logo que assumiu o poder. Mas a taxa de IRC baixou realmente no mandato do Executivo de Passos Coelho, enquanto o líder socialista foi Seguro, o que comprova que existem excepções em matérias fiscais que podem ter um apoio mais alargado para dar estabilidade ao sistema.

Curiosamente, uma das maiores críticas que se faz ao sistema português de impostos é a permanente mudança de enquadramento fiscal que prejudica o investimento e não dá estabilidade ao cidadão. 

No centro direita e na direita, e com as eleições de 6 de Outubro à vista, em matéria fiscal todos conjugam o verbo ‹descer›, mesmo que os programas eleitorais ainda não estejam totalmente fechados. À esquerda, PCP e BE continuam com a orientação de taxar os ricos e com o sonho de uma economia tão estatizada quanto seja possível.

• Leia este artigo na íntegra na edição em papel desta semana já nas bancas