Cronistas, parasitas, bloguistas, oportunistas e por aí fora…

“Esta casta de cabeças pensantes alimenta-se a si própria, ora com elogios gordurosos e desnecessários, ora com insultos ligeiramente venenosos e rasteirinhos”

0
876

Posso estar muito enganado, mas parece-me que temos em Portugal um excesso de opinião e um grande défice de informação, falamos de muita coisa, e não sabemos nada. Mas temos muita opinião. 

Temos telejornais infindáveis, que acabam por dar todos as mesmas notícias, enviando apressadamente para o terreno jovens jornalistas verdes e carregados de boas intenções, mas com falta de experiência e segurança, para ir ao sítio certo, na hora certa, colocar as questões certas às pessoas certas. Assistimos a verdadeiras maratonas de jornalistas a correr atrás uns dos outros, numa espécie de histeria colectiva, pois o que move as redacções é o pânico de deixar a concorrência ficar com a notícia da primeira página. Infelizmente, nesta corrida parece que chegam todos à meta ao mesmo tempo.

E é por isso que mudamos e mudamos de canal, e parece que estamos sempre a ver o mesmo. E isto durante horas e horas. Há um fogo em Oliveira da Serra e lá vai a habitual procissão de carros, câmaras e repórteres, fazer as mesmas perguntas e mostrar as mesmas imagens. E isto durante horas e horas, dando a entender que enquanto houver fumo, continua a haver notícia.

Mas não tem necessariamente de ser assim. Existe “caça” para todos, não podem é ir todos atrás das mesmas lebres. Para haver boa comunicação social são precisos patrões com dinheiro e jornalistas com coragem e talento. 

Infelizmente, nem uns nem outros abundam neste jardim à beira-mar plantado. Não há publicidade porque a circulação é minúscula, a circulação é minúscula porque a qualidade é miserável e a qualidade é miserável porque não há dinheiro, e voltamos outra vez ao princípio. Aqui temos a verdadeira da pescadinha de rabo na boca. E é por isso que a nossa imprensa usa e abusa dos chamados artigos de opinião, que são na sua esmagadora maioria gratuitos. 

Tirando meia dúzia de oráculos com créditos firmados e uma legião de seguidores, todos os outros, incluindo a minha pessoa, escrevem de borla, contentando-se com ver o seu nome impresso no jornal. É uma espécie de pastilha elástica para o ego.

E depois, venha alguém que pague o papel, dono do jornal, claro. Informação bem dada, clara, comestível, com infografia simples e elucidativa, retratando a situação numa perspectiva de “ontem-hoje-amanhã” custa caro.

Façam essa experiência. Comprem o “Público”, o “DN”, o “Expresso”, o “Sol Nascente” e vejam a pouca informação e a quantidade de artigos de opinião que vão encontrar. É assustador. Mais de metade dessas opiniões são irrelevantes, e muitas vezes completamente desinteressantes. Não acrescentam, não perturbam, não ferem, não assustam, não provocam, apenas adormecem. E como se não bastasse, esta casta de cabeças pensantes alimenta-se a si própria, ora com elogios gordurosos e desnecessários, ora com os insultos ligeiramente venenosos e rasteirinhas. 

Em comum têm o facto de irem todos a correr ao quiosque comprar o jornal, assim que ele sai, achando que com a sua opinião vão mudar o mundo. Que maravilha, somos famosos e importantes. Mas o mundo continua igual e o sol continua a nascer e a pôr-se no mesmo ponto cardeal. Mas que grande ilusão.

Se morrermos hoje, depois de amanhã, ninguém se lembra de nós. Como dizia alguém há muitos anos. O jornal de hoje embrulha o peixe de amanhã. Os artigos de opinião, esses, nem precisam de ser embrulhados para serem esquecidos.

E como não convém cobrar por algo de que gostamos e queremos fazer, a coisa lá vai andando. Não quero ser má-língua, mas custa-me a crer que seja caso único. Individual ou colectivamente, na rádio ou televisão passa-se o mesmo. Arranja-se um tema simpático ou polémico, põe-se meia dúzia de carolas a dar sentenças, alguém grava e põe no ar e depois chama-se a esta conversa de café, debate público, mesa-redonda, ou qualquer outro nome sonante. Os participantes saem do estúdio com a sensação do dever cumprido, o povo vai para a cama a pensar que o deixaram espreitar para dentro do poder e os patrões alegram-se com o tilintar de mais algumas moedinhas no fundo dos bolsos, fruto de uma audiência que supostamente se mantém fiel.

Jornalistas com espírito de curiosidade, que saibam “meter o focinho onde não são chamados”, que juntem factos e contem histórias bem contadas, não abundam e por isso são pagos a peso de ouro. Tudo isto se passa em Portugal e lá fora, com a desvantagem de que muito provavelmente o pedreiro irlandês chega a casa, abre uma Guiness, vê um telejornal de dez minutos seguido de uma boa reportagem, que explica de forma clara, isenta e fundamentada algo do que se passou nesses dez minutos. Nós temos telejornais de duas horas, que nos deixam impotentes, revoltados e frustrados.

E assim, alegre e inconscientemente lá vamos jogando na terceira divisão cultural da Europa, alimentados pelos golos do CR7 e pelos “selfies” do Professor Marcelo.

Precisamos de uma revolução cultural “de alto a baixo”, se possível com um canal público que não se preocupe com as audiências, mas que esteja genuinamente empenhado na recuperação do tempo perdido. ■