MARIA D’ALJUBARROTA

Não, não me enganei na palavra. É mesmo dos gajos que quero falar. Não, não me refiro às pessoas. Nem aos indivíduos. Nem aos fulanos. Nem sequer aos tipos. É dos gajos, mesmo, que me ocupo.

Dos gajos do mundo da bola.

Não, não me refiro ao futebol. Nem ao desporto. Nem ao ar puro e ao exercício físico. É mesmo do ar saturado do mundo dos gajos da bola que hoje me ocupo.

Por exemplo: o mais recente e mais inesperado desses gajos. Chama-se Mário José Gomes de Freitas Centeno. Quem diria, com aquele arzinho?

À vista desarmada, Mário José não passa de um rapaz de sorriso banzado e ar algo despistado, que não se sabe se vai desatar a rir à gargalhada por motivos que só ele conhece ou cair na mais profunda fossa de lágrimas e angústia inexplicável. Se em pequeno, na escola, tivesse andado de boca aberta e olhos mortiços, deambulando sem rumo pelo pátio dos meninos, teria estado por certo destinado à carolada geral. Bisonho de marca, é fácil imaginá-lo marrão do ISEG e de Harvard, um destes técnicos que tanto podia ser assessor de Cavaco Silva como de José Sócrates e que acabou, por fatalismo etário, em ministro das Finanças de António Costa. Não que seja socialista: passa por liberal num Governo apoiado pela extrema-esquerda – um paradoxo que em nada parece incomodar a sua indiferença ideológica de ‘joker’ para todo o naipe. Havia muitas criaturas destas no tempo da Outra Senhora, mas geralmente não passavam de sub-directores-gerais.

Deste retrato poderia deduzir-se uma personalidade amorfa, um ectoplasma de gelatina insípida, um pãozinho sem sal, um destes pacóvios que adoram ser eles a escolher a marca de fraldas da bebé, que ao domingo ficam em Belém horas seguidas a olhar para a Trafaria e que na segunda vão trabalhar com a frase “lá tem de ser”. Nada mais enganador.

Em 1 de Abril de 2017, Mário José saiu do casulo, fez voz grossa e mandou o seu “assessor diplomático” dizer para o Estádio da Luz que agradecia o favor de dois bilhetes para a bancada presidencial do clube, com vista a assistir (acompanhado pelo filho) a um desafio entre o Sport Lisboa e Benfica e o Futebol Clube do Porto.

  • Leia este artigo na íntegra na edição impressa desta semana.
COMPARTILHAR
  • Paulo Reis

    “Quem diria. com aquele arzinho?” de parvo, mas afinal o CR7 das finanças tambem parece fazer habilidades……. Está visto que afinal eu tinha razão: a corja é toda a mesma. Venha quem vier, daquele partido não se espera outra coisa.

  • Jason Voorhees

    Mas a gajas das swaps e’ mais fixe !!

    https://www.youtube.com/watch?v=Y1yJWhTxVLI