ODIABO600x200

A memória do abandono das províncias ultramarinas continua dolorosamente presente. O drama dos “retornados” é uma ferida que a III República não conseguiu sarar. Falta ainda que se faça justiça: para as centenas de milhar de inocentes cujas vidas foram arruinadas e para os responsáveis pela tragédia africana de 1975.

Os manuais de História tratam o tema como encerrado, mas as perguntas incómodas mantêm a sua pertinência. Com que direito os militares portugueses do MFA entregaram Angola e Moçambique a partidos aliados da (hoje extinta) União Soviética? Por que razão os povos das províncias ultramarinas nunca tiveram o direito de se pronunciar sobre o seu destino? A crise dos refugiados, vulgo “retornados”, era inevitável?

A apressada outorga de independência aos territórios do Ultramar, um dos grandes pecados da actual República, aconteceu há quatro décadas certas, decorria o ano de 1975. Nessa data, chegavam a Lisboa mais de 400 mil refugiados de África, brancos, negros e mestiços inocentes que viram as suas vidas arruinadas por uma descolonização então chamada “exemplar” mas hoje prudentemente rotulada de “possível”. Na verdade, uma tragédia desnecessária que provocou o maior movimento de repatriação de sempre na nossa História.

O império de D. João II foi abandonado à pressa, e o pouco que restava dele jazia perto do Padrão dos Descobrimentos, em contentores desconjuntados contendo as parcas posses que os portugueses ainda conseguiram salvar da guerra civil que se aproximava velozmente de Angola. Só para evacuar todos os portugueses de África foram necessários 905 voos, e a recém-nacionalizada TAP teve de dar uso até aos imponentes Boeing 747 recentemente adquiridos. Os EUA e a URSS também contribuíram, tanto para a desgraça que estava a acontecer, como com aviões para retirar do Ultramar, sobretudo de Angola, cidadãos cujo único “crime” era terem nascido portugueses. Também foram usados 27 navios, que transportaram 100 mil pessoas. Quinhentos anos depois, barcos modernos faziam a rota das caravelas, mas em sentido contrário.

Os custos económicos do abandono de 98% dos territórios portugueses foram gigantescos para os povos afectados. Em 1973, o Produto Nacional Bruto de Angola era de 2,7 mil milhões de dólares, e o de Moçambique de 3.1 mil milhões, segundo dados do Banco Mundial. Poucas anos mais tarde, eram apenas uma ínfima fracção desse valor. Por sua parte, Portugal passou de ter taxas de crescimento de 10% ao ano, para ter de receber o FMI pela primeira vez em 1977.

Terror e racismo de esquerda

O actual regime angolano, agora a tentar revestir-se com o verniz da legitimidade dos Estados civilizados, afirma que os “colonos” nunca foram expulsos, apenas escolheram abandonar o território por causa do seu “racismo”. Mas a verdadeira história é bem diferente, quando contada por quem viveu os horríveis acontecimentos de 1975 – como Américo Cardoso Botelho, que os deixou pungentemente retratados no seu livro “Holocausto em Angola”.

A autoridade portuguesa no território, dominada pelo Movimento das Forças Armadas (MFA) e manipulada pelo Alto-Comissário Rosa Coutinho, já estava em colapso mesmo antes da independência formal. Execuções públicas, saques a casas de portugueses, pilhagem generalizada eram já comportamentos comuns mesmo antes de a nossa bandeira ser arriada pela última vez. Uma situação que, com excepção das execuções, não era muito diferente da vivida em Portugal continental, a braços com a anarquia do PREC.

Retornados

Em Julho de 1974, mais de mil reclusos fogem da prisão em Angola, muitos deles homicidas, e as autoridades decidem conceder-lhes uma amnistia porque o governo já não tinha recursos para os capturar de novo. Em Luanda e Lourenço Marques a taxa de homicídios dispara. Em pleno PREC, Vasco Gonçalves declara a uma televisão alemã que as inquietações dos portugueses em África eram as “de uma minoria teimosa e egoísta, que se recusa a reconhecer as perspectivas de futuro”.

Os jornais ainda estavam quase todos sob o controlo das forças de esquerda e não reportavam a situação de forma isenta, virando os portugueses continentais contra os seus concidadãos de além-mar. Um jornalista britânico, John Bruce Edlin, chegou mesmo a ser expulso de Moçambique por questionar a anarquia reinante, mas desta vez ninguém protestou no estrangeiro.

A actual República Portuguesa gostaria, por certo, de esquecer que entregou todo o Império Português ao bloco comunista soviético. Mas não há maneira de esquecer como, no momento crucial, o racismo da esquerda se revelou. Na hora da separação forçada, os brancos foram considerados “portugueses” e os negros “outra coisa”, quando anteriormente eram todos cidadãos nacionais sob a mesma bandeira.

Durante séculos, Portugal assumiu responsabilidades pelos habitantes daqueles territórios, e muitos, em troca, serviram a sua Pátria. Em 1974, metade do Exército Português era composto por soldados africanos, incluindo o mais condecorado oficial das nossas Forças Armadas, Marcelino da Mata. A vasta maioria destes soldados foi abandonada à sua sorte. E a sua sorte foram execuções em massa, tanto deles como das suas famílias.

Silêncio…

Os refugiados de África organizaram-se para exigir indemnizações ao Estado português. Esse, por sua vez, sacudiu a água do capote alegando que a III República ainda não existia à data da colonização, e consequente descolonização, dos territórios. Ainda hoje, quarenta anos depois, os espoliados de África não viram um cêntimo. Muitos não conseguiram trazer de África nem uma ínfima parte do que lá haviam construído e amealhado com o suor do seu rosto. O infame decreto-lei 181/74 tornava a transferência cambial de escudos ultramarinos para escudos portugueses uma operação quase impossível.

Os causadores de toda a catástrofe humanitária que se viveu nunca foram julgados. A elevada idade de alguns significa que já não o serão. Outros viveram e morreram no maior dos confortos, por vezes até com pensões do Estado português. Outros ainda estão no poder nos territórios africanos.

A actual República começou coxa, e ainda coxa sobrevive. Quer esquecer os acontecimentos de há quatro décadas para resguardar a “paz social”. Mas por todo o mundo a crise angolana está a despertar a atenção dos países desenvolvidos para a tragédia de 1975, especialmente tendo em conta os efeitos trágicos que teve. Todos os anos são publicados livros que contam uma história divergente da história oficial em relação à descolonização.

Livros como “Diamantes de sangue: corrupção e tortura em Angola”, do jornalista angolano Rafael Marques, “Guerra e Paz: Portugal/Angola”, de W.S. Van der Waals, “Guerra d’África, 1961-1974 – Estava Perdida a Guerra?” de Humberto Nuno de Oliveira e Brandão Ferreira (colaboradores do nosso jornal), “Holocausto em Angola”, de Américo Cardoso Botelho, “Em Nome do Povo – O massacre que Angola silenciou”, de Lara Pawson, ou “Os Retornados Mudaram Portugal”, de Fernando Dacosta, entre muitos mais, desmentem a “verdade politicamente correcta”.

O silêncio oficial continua, e nas escolas ainda o 25 de Abril e a descolonização “exemplar” são contados aos alunos segundo a cartilha esquerdista. Nas escolas, as crianças aprendem os três “D” do MFA antes de lhes ser ensinado o Hino Nacional. Mas mesmo com toda a censura e revisionismo, existe felizmente quem ainda queira descobrir a verdade.

O silêncio está a tornar-se ensurdecedor.

  • Mafurra

    O abandono de 98% dos “territórios portugueses” só foi possível graças à CEGUEIRA de Salazar.
    Qualquer português a viver nesses territórios, e que tivesse dois palmos de testa, SABIA que era só uma questão de tempo. Se nações muitíssimo mais fortes tinham “despertado para a realidade”, não seria este pequenino Portugal que iria ser diferente.
    E Salazar teve MAIS QUE TEMPO para fazer as coisas. A contento de todos.
    As independências africanas começam logo a seguir à segunda guerra. Gana em 1957, e a seguir TODOS os outros. Como pedras dum dominó…
    Mas Salazar com toda a sua cultura, com toda a sua inteligência, não viu, ou pior, não quis ver. E CONDENOU milhares de portugueses a perderem TUDO. A minha família também.
    E ainda têm a CARA DE PAU de acusarem Otelo, Mário Soares, Melo Antunes e outros que tiveram que RESOLVER o que ele não quis fazer.
    É preciso ser muito FACCIOSO ! ! !

    • Novo Mundo Mundo

      deves ser mas é inculto qb. Optimo, eles gostam desses…

    • carvalho

      Deixa de ser burro

    • Teixeira.net

      Está enganado: que provas tem de que tudo está “resolvido”?
      É bruxo?
      A Inglaterra deu as Malvinas ou Gibraltar?
      O que verdadeiramente sabe sobre nós? Eu respondo: NADA!
      A ignorância é atrevida!

    • JC Abreu Dos Santos

      … poizé, AOS ainda tem costas largas… E v., continua de vistas curtas.

  • paulo

    ex a questão pura altrabisse

  • ribas

    Mafurra
    Eu fui para Angola guardar as costas à sua familia. Foi em 1974. Tive maior apoio da classe negra do que da classe branca. Sabe porquê? Hoje, através dos vastos comentários, repara que o IN era branco e não negro. Quando o MPLA entrou em LUanda perguntei ao Nico Alves se eram aquelas as forças armadas de Angola ao que me respondeu…vocês é que nos querem dar Angola. Otelo, Rosa Coutinho entre outros revolucionários, cobardemente poderiam ter causados danos irreparáveis às forças armmadas portuguesa.
    Tenho este outro zumbido nas orelhas: eles, os brancos, vão-se embora e nós vamos morrer esfomeados… e mais não digo

    • JC Abreu Dos Santos

      Perguntou ao quem? Nico Alves? E quem era o Nico Alves? Bom, no teclado do meu computador, o ‘c’ está muito longe do ‘t’. E v., está a defender o quê, ou quem?
      Tenha juízo.

  • Mantorras

    o povo que trabalhou anos e anos por lá e construiu a sua vida lá veio de mãos a abanar, outros como esse senhor que morreu há pouco tempo chamado Almeida Santos, tudo o que ganhavam aqui metiam e quando tiveram de vir embora, só as paredes das casas é que não trouxeram…..porquê esta diferença????? é uma pergunta que fica sem resposta

  • Pingback: DESCOLONIZAÇÃO “EXEMPLAR” – resistenciaportugal()

  • Teixeira.net

    O assunto está muito longe de estar arrumado.
    Estou-me nas tintas para as opiniões dos dirigentes angolanos;
    Estou-me nas tintas para a opinião dos que “descolonizaram”!

    Dizei-me Vossas Senhorias: Tendes algum poder que possa livrar Angola ou outros territórios da desgraça que se abateu sobre eles?
    Ai não?…..que peninha!

  • Teixeira.net

    As perspetivas de futuro, eram – ao fim de 40 anos – 2 500 000 de pobres, desemprego alto, dívida monstruosa, ordenados que não dão para viver. Até a classe média (era!) emigra!
    Devem ser os amanhãs que cantam! E se eles tivessem engolido a cantoria?

  • Pingback: A tragédia esquecida da descolonização –()

  • Augusto Ribeiro

    Gostaria de lembrar que apesar dos pesares existem em Lisboa duas entidades dirigidas por cidadãos abnegados que passados tantas décadas e anos, ainda não abandonaram a luta, para reivindicar as indenizações pelos bens perdidos pelas comunidades portuguesas em Africa. São elas a AEMO – Associação dos Expoliados de Moçambique e a AEANG – dos Expoliados de Angola. Vamos continuar a apoiá-las porque apoiando essas entidades estamos lutando também contra os que sempre nos prejudicaram e ainda o fazem. Ricardo Martins Soares – São Francisco do Sul – SC – Brasil

  • Romeu

    Gostei da leitura.