MIGUEL MATTOS CHAVES

Estou, como cidadão português, farto das mentiras absurdas de pessoas que tenho dificuldade em considerar como compatriotas – pessoas que contaram, e continuam a contar, histórias mentirosas sobre o meu País e sobre o seu passado. Tentarei desmascarar o mais importante, sobre este tema.

Vem isto a propósito de ter lido, com algum espanto (pois pensei que, ao fim de 40 anos de regime democrático, a mentira e os insultos à nossa memória colectiva, a este nível, já não seriam possíveis), vários comentários do PCP, publicados em vários órgãos de informação. Vamos então à desmontagem dessas mentiras.

Existiu o “Fascismo em Portugal”? Só os ignorantes políticos, ou os de má-fé, continuam a afirmar que em Portugal se seguiram as linhas de uma teoria política de carácter eminentemente ditatorial (na sua forma de exercício do Poder Político sobre as massas), teoria essa aliás com grandes semelhanças, na forma de fazer política e no exercício do Poder, à construída pelos teóricos da “Ditadura do Proletariado”, defendida pelo Partido Comunista Português e posta em prática, com inacreditável violência e brutalidade, pelos Sovietes, desde 1917 a 1989, na ex-União Soviética.

O termo “Fascista” vem do termo latino “fasces”, na expressão “fasces lictoris” (em italiano, fascio littorio: “feixe de lictor”), e referia-se a um símbolo de origem etrusca, usado pelo Império Romano, e que estava associado ao poder e à autoridade. Era então denominado “fasces lictoriae”, por ser carregado por um “lictor”, o qual, na Roma Antiga, em cerimónias oficiais – jurídicas, militares e outras – precedia a passagem de figuras da suprema magistratura, abrindo caminho através do povo. Modernamente, foi incorporado pelo regime fascista em Itália.

No final do século XIX, os “fasci” eram grupos políticos e paramilitares que constituíram a base do movimento fascista. O texto mais conhecido sobre a Doutrina do Fascismo foi escrito por Giovanni Gentile, um filósofo idealista, que serviu como filósofo oficial de Benito Mussolini, tendo este último assinado o texto, o qual acabou por lhe ser atribuído oficialmente, embora erradamente. Só em Itália existiu o Fascismo.

Na Alemanha, parte dos princípios da Doutrina Fascista foi também seguida pelo Nacional-Socialismo, através do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, liderado por Adolf Hitler, vulgarmente conhecido pela abreviação de Partido Nazista (porque assim convém a socialistas e comunistas) e cujos seguidores tinham como um dos seus objectivos combater o Comunismo.

O descalabro da I República

É um erro muito comum, induzido pela classe política dirigente no período de 1974 a 1979, mas que demonstra três coisas básicas: falta de estudo de quem o afirma; má-fé intelectual de quem o diz, ou por fim, e sendo bondoso, falta de seriedade intelectual.

Simplificando: na verdade, de 1926 a 1974, existiram dois regimes ou fases principais de exercício do Poder Político, a saber:

Numa 1ª fase, foi instaurada uma Ditadura Militar que durou de 1926 a 1933, a qual foi instaurada na sequência do golpe militar de 28 de Maio de 1926. Este golpe militar foi chefiado pelo Marechal Gomes da Costa, herói da I Guerra Mundial. Este golpe derrubou, com o apoio explícito da esmagadora maioria da população portuguesa, a anarquia e a desordem civil que caracterizou o regime da I República, a qual durou de 1910 a 1926.

  • Leia este artigo na íntegra na edição impressa desta semana.
COMPARTILHAR
  • JP

    What?!!! Ainda há gente que escreve estas m….????…

    • Anti xuxa

      Tradução:

      “What?!!! Ainda há gente a pensar de forma diferente de mim e argumentar com factos? Como é possivel? Tragam A KGB”

  • JP

    Expliquem tudo isso a pessoas que passaram o mesmo que a minha mãe e os meus avós. Mas expliquem olhos nos olhos. Nojo!!!

    • pitromax

      Não há nojo nenhum JP há é um bocado de ignorância fruto da lavagem ao cérebro que levou quando era pequenote.
      Ó JP o que a sua mãe e avós passaram foi provavelmente que eram simpatizantes ou apoiantes do partido comunista que tinha como objectivo derrubar o governo para instalar um regime fantoche ao serviço da URSS. É natural que quando um grupo terrorista e subversivo coloca bombas para tenta assassinar o chefe de governo desse país que depois os apoiantes e cúmplices dessa causa sejam fortemente perseguidos.
      Vá lá tentar assassinar o 1º ministro do Canadá ou do Reino Unido para ver o que lhe acontece…

      • JP

        Cheira-me que o pitromax é daqueles que classificam as outras pessoas em dois tipos, conforme pensam como devem pensar (= pensam como ele) e os outros que têm opiniões diferentes sobre os mais variados assuntos – estes últimos são os comunistas.

        Segundo esta classificação pitromax eu pertencerei ao segundo grupo. Fez-se luz! Obrigado, pitromax! Finalmente encontrei o meu desígnio e, graças a si, percebi que é bem possível eu ter sido programado e formatado quando era pequenino – a minha família era tão high tech que até acho que me puseram um chip logo à nascença e, na verdade, eu sou um agente soBiético geringonceiro infiltrado entre os (a)normais como o pitromax e estou preparado para aBanar isto tudo. Ожидание и вера… Ah! Ah! Ah! Ah! (entoar este riso com tom maléfico, s.f.f.)

      • BAAL

        O Humberto Delgado queria instalar uma ditadura comunista ?

        O senhor bebe antes de escrever os comentários ou é droga mesmo ?

      • Lusitano

        Nem mais.

  • Eduardo Pinto Basto Metzener

    Gente que não se assume, não é nada.
    Os comentários que aqui leio são escritos por quem não dá o nome nem a cara e aproveitam-se disso para insultar os outros e falar do que não sabem, apenas porque lhes lavaram e formataram o cérebro. Aparentemente os olhinhos para ver como foram os últimos 40 anos não funcionam e continuam a acreditar naquilo que os bandalhos deste regime apregoam.
    Assim com gentinha desta, certamente continuaremos neste marasmo e declínio vertiginoso!

  • BAAL

    É verdade que a ditadura salazarista não era fascismo propriamente dito, quando muito seria uma forma de clero-fascismo.

    Mas para chegar a este “quando muito” implica naturalmente o reconhecimento do facto de, no mínimo, o salazarismo ser uma ditadura com fortes influências do fascismo.

    Por isso não choraminguem tanto pelo equívoco.

    Salazar até tinha a fotografia do Mussolini na secretária, para toda a gente ver. Recebia presentes do Hitler, teve a pide treinada pela gestapo, pôs a bandeira a meia haste quando o Fuhrer morreu, em sinal de pesar, criou milícias inspiradas na Hitlerjugend e na SA, castigou um diplomata português por salvar judeus, etc.

    Quem não quer ser lobo não lhe veste a pele.

  • PAFioso Mentiroso
  • Leão Detroll

    Fascismo e’ o que o SLB faz !!

    https://www.youtube.com/watch?v=e81kle1x9SE