A revolução cultural venceu sem sangue

0
472

Enquanto o mundo se distraía com as agitações comunistas, a partir dos anos 1930, a União Soviética criava seu Império, ocupando o Leste europeu, gerava Cuba, para exportar a revolução, e, no caso de Angola, soldados. A verdadeira batalha era silenciosa e lentamente foi sendo vencida. Mais do que Marx, Lenine, Stalin e Mao, o grande arquitecto da vitória do caos foi Gramsci.

A economia estatal não poderia dar certo, como não deu, e a intervenção do Estado nas economias ditas capitalistas provoca distorções pelos altos impostos, estatais ineficientes e guetos de privilégios, dívida pública e excessiva regulação. Assim ficou patente que a solução seria movimentos armados, na guerrilha ou na infiltração nas Forças Armadas, como ocorreu no Brasil, em 1964, e em Portugal, em 1974. Estes só fracassaram pela reação da maioria silenciosa democrática.

A infiltração não estava completa. Já com Chávez, o sucesso foi total. Mas o histórico do século XX mostra que dois factores barraram importantes investidas do comunismo: os militares, na Península Ibérica, depois no Cone Sul, e a Igreja, de forte influência na população e vacinada pelas atrocidades sofridas na Espanha e nos países da Cortina de Ferro.

Dessa forma, a linha Gramsci ganhou espaço, lançando e estimulando a pauta desagregadora dos valores da civilização judaico-cristã, como a família, a ética, a moral e o reconhecimento do mérito. Incutiu-se uma nova modalidade na luta de classes, incluindo diferenças étnicas, religiosas, de orientação sexual, de comportamento. A ordem, a disciplina, o trabalho e a fraternidade deram origem a movimentos que protestam por protestar, independentemente do facto de que, nos últimos 50 anos, as condições de vida, de acesso e bem-estar tiveram imensos progressos nas democracias capitalistas.

A grande meta alcançada foi a influência cada vez maior e mais despudorada do chamado mundo intelectual. Tudo começou no pós-guerra, com Hollywood tendo verdadeiros agentes remunerados infiltrados no cinema. O que Trump, Bolsonaro, Salvini, Johnson e outros sofrem anda passando dos limites. A geração de heróis, como Mario Vargas Llosa, está desaparecendo. E a juventude já sai das escolas doutrinada.

Hoje, a palavra de ordem é limitar a influência dos militares na vida das nações, sendo eles actores permanentes ao longo dos tempos de maneira positiva. As forças auxiliares e as polícias passaram a ter sindicatos e a exigir vantagens, como agora na França. E, quando agem em defesa da sociedade contra a violência urbana, são cobrados ao reagirem à altura. Uma leitura do noticiário policial pode nos levar a crer que as vítimas são os marginais.

O chamado Poder Económico é sempre o culpado pelos males dos povos, como se coubesse ao capital o dever de promover a educação para melhor equipar as massas para a ascensão profissional. O ganho salarial passa pela produtividade e desempenho, e não pelo discurso político. No mais, as grandes empresas estão cada vez mais entregues a executivos desprovidos de responsabilidade política e sensibilidade social, como os que construíram impérios com intuição, dedicação e trabalho. Actualmente, só se pensa em “bónus”, por vezes obtidos por criativos recursos contábeis. São poucos os verdadeiros empreendedores.

É o momento de o que resta nas lideranças empresariais ocidentais reagir, enquanto é tempo. ■