Da pandemia à poligamia: e as outras, senhores?

0
225

Decerto, o que mais caracteriza o pensamento pós-moderno em relação a todo o pensamento precedente (não apenas moderno) é a tendência para “desconstruir” (palavra-chave) tudo o que, século após século, foi afirmado como regra, equiparando esta às suas excepções, assim a dissolvendo. Não que os clássicos não tivessem consciência das (muitas) excepções que, em todas as áreas, “confirmam a regra”. Mas, precisamente, as excepções eram apenas isso – excepções. Que confirmavam a regra – não a desconstruíam.

Assim, por exemplo, quando o ser humano foi classicamente definido como um “animal racional”, sempre houve a consciência de que nem todos os seres humanos confirmavam inteiramente esta regra. E mesmo aqueles que questionaram a racionalidade da maioria dos seres humanos não renegaram, por isso, a definição – assim vista como um ideal antropológico a atingir. 

Mesmo no plano estritamente biológico, o reconhecimento da constituição padrão do corpo humano nunca ignorou as muitas excepções a essa mesma constituição. Na pós-modernidade, porém, tem-se acentuado, cada vez mais, essa tendência para equiparar a regra com as suas (muitas) excepções. E é por isso que, mesmo no estrito plano físico, a palavra “deficiência” se tornou maldita. Porque, obviamente, a palavra em causa ecoa a referência a uma regra, a um padrão. Em nome da não estigmatização das excepções (por regra, minoritárias), tem-se assim procurado desconstruir todos os padrões.

Eis o que tem sido ainda mais evidente no campo dos comportamentos – em particular, na área da sexualidade. Assim, a afirmação da heterossexualidade como o comportamento sexual padrão da humanidade nunca se fez na ignorância de outros comportamentos, desde sempre conhecidos. Simplesmente, esses outros comportamentos eram apenas isso: excepções que confirmavam a regra. Hoje, cada vez mais, também isso se procura desconstruir, desde logo a distinção elementar homem-mulher, alegadamente em nome de uma consciência “não binária” da espécie humana.

Por isso, em tempos de pandemia, quando a Direcção Geral de Saúde decretou normas tendo em conta essa distinção elementar, nomeadamente quanto à vacinação, logo mil e uma vozes se levantaram: e então os outros? E então, em particular, os trans-sexuais e os inter-sexo? Já, porém, nenhum clamor se ouviu a respeito das recentes declarações do nosso Ministro da Defesa sobre a evacuação de algumas famílias afegãs para Portugal: quanto a essas famílias, os homens – como disse expressamente – teriam que escolher apenas uma das suas mulheres, deixando as outras para trás. Caso para perguntar: e então as outras, senhores? ■