Maria d’Aljubarrota: nada viu, nada ouviu, nada disse

0
515

Rara era a semana (e, em certos períodos, raro era o dia) em que o primeiro-ministro Pinto de Sousa não aparecia nas primeiras páginas da imprensa, pelas piores razões.

Não estou a referir-me ao que se veio a saber depois da sua demissão do cargo de primeiro-ministro, em 2011, ou depois da sua detenção, em 2014. Falo daquilo que já se dizia e sabia entre 12 de Março de 2005 e 17 de Maio de 2007, o período em que António Costa foi ministro de Estado e da Administração Interna de José Sócrates, com quem aparecia em público aos abraços efusivos.

Por isso, quando agora vem dizer, no programa televisivo “Circulatura do Quadrado”, que de nada suspeitou nesse tempo, é forçoso concluir-se que António Costa é muito distraído, ou é muito estúpido, ou é muito hipócrita.

• Leia este artigo na íntegra na edição em papel desta semana já nas bancas