Maria d’Aljubarrota: Cor-de-rosa quando foge – A caldeirada de Costa na TV.

0
719

Pode ser que uma mulher aos guinchos, de lábios pintados a cinzento, chinelas de porteira e cabelo armado em penas de galinha espetadas, com a lábia de um feirante e a subtileza de uma varina, rodeada por uma corte de larilas e uma panóplia de inutilidades de encher o olho – seja, para muita gente, a anfitriã televisiva ideal. O certo é que foi a casa dos horrores desta criatura, sabe-se lá por que bulas, que o presidente Marcelo Selfie Rebelo Afectos de Sousa e o primeiro-ministro António Malabarismos Costa escolheram para pôr o pezinho no mundo do “cor-de-rosa”.

Marcelo tinha obrigação de ser mais exigente, pois nos tempos em que debutou, fidalgote do regime de então, o “social” era um tudo-nada menos piroso, ainda que mais bafiento; e Costa, apesar de já ser fidalgote do pós-Abril, anda por aí há tempo suficiente para saber melhor. Mas quem sou eu para lhes dar conselhos? Em matéria de populismo, teatro e propaganda, Costa&Marcelo são do melhor que há: se quiseram ir à casa dos horrores, eles lá sabem porquê.

Não escondo que senti vergonha por eles.

• Leia este artigo na íntegra na edição em papel desta semana já nas bancas