Costa esconde, mas ainda estamos a sofrer os efeitos da era Sócrates

2
8206

Um quarto da população é pobre, outro tanto está em risco de ficar pobre – revelou o INE. Passaram já sete anos desde que o actual arguido na Operação Marquês atirou Portugal para a desgraça económica, mas os portugueses ainda não conseguiram recuperar a qualidade de vida de outrora.

Analisando o discurso do primeiro-ministro, quase parece que ele não foi o ‘braço direito’ do homem que arruinou a economia portuguesa. Mas na última semana o caso de Manuel Pinho e dos restantes ministros ‘socráticos’ que estão a ser investigados trouxe à baila a pergunta inevitável: onde estava Costa quando Sócrates e os seus comparsas destruíam Portugal?

O PSD, pela voz de Fernando Negrão, teve finalmente a coragem de enfrentar Costa e a máquina política que o apoia: “Afinal, a bancarrota foi culpa da crise ou resultado de nefastas decisões tomadas pelo Governo a que pertenceu?”. António Costa e a sua geringonça há vários anos que tentam atirar a culpa da catástrofe económica portuguesa de 2011 para aqueles que conseguiram virar o rumo ao navio, impedindo que se tornasse noutra Grécia. Mas os recentes escândalos estão a afundar essa teoria e a levantar o véu que cobria aquele que foi um dos piores, se não mesmo o pior, Governo da história de Portugal.

Tudo muito bonito para o teatro político, mas a chegada de novos números do Instituto Nacional de Estatística coloca este drama bem perto do povo. Os portugueses continuam mais pobres do que eram antes da crise causada pelo antigo patrão de Costa. Não é de surpreender.

  • Leia este artigo na íntegra na edição impressa desta semana.