Portugal e a Grécia, que estão no Top-10 dos mais estatizados da OCDE, pertencem também ao Top-5 dos países mais endividados do mundo: a Grécia tem a segunda maior dívida do mundo, enquanto Portugal tem a quinta posição.

Discute-se muito em Portugal sobre o chamado “Estado social”. Ou, dito de outra forma, onde é que o Estado deve intervir, pagando produtos e serviços, para posterior distribuição, gratuita ou parcialmente paga, a determinadas camadas da população.

Os Gastos do Estado incluem os salários dos funcionários públicos, as pensões e reformas, os subsídios sociais, os alugueres e a manutenção de edifícios, a aquisição de equipamentos, etc.

Se os referidos Gastos do Estado têm aumentado o seu âmbito nas últimas décadas, abrangendo, por exemplo, despesas relacionadas com festas populares, ou o patrocínio de múltiplas actividades culturais e lúdicas, também observámos a aparente saída do Estado de algumas actividades, que no passado eram de sua intervenção exclusiva, como são os casos dos hospitais e das estradas, ultimamente entregues a entidades privadas, em regime de Parceria Público-Privada.

  • Leia este artigo na íntegra na edição impressa desta semana.

SIMILAR ARTICLES

  • Leão Detroll

    Portugal tem que se aliar a Coreia do Norte !

  • BAAL

    Interessante como demonstração de demagogia e de desonestidade da direita.

    Jogam com os números para se porem a dizer que a divida é necessariamente causada pelo sector publico e pelo estado social.

    O facto de haver países com muito mais estado social e empregados publicos e serem muito mais eficientes do que o nosso e vice versa, países com muito menos sector público e estado social que são muito mais ineficientes não interessa nada.

    Aliás, os nossos problemas de endividamento e atraso já vêm de há séculos, muito antes de haver sector publico e estado social.

    Falta de capitais, produção de fraco valor acrescentado, pequeno mercado interno, necessidade de importação de produtos acabados e matérias primas, má organização ligada á incompetência e corrupção das nossas elites politicas e empresariais, explicam os nossos problemas sem ser preciso ir buscar o nosso pobre estado social.

    A questão é que, á direita não interessa tocar nos verdadeiros problemas. Em parte porque tem responsabilidades, em parte porque isto é tudo conversa da treta para roubar ainda mais as classes baixas.

    Pois se o estado social é a origem de todos os males do mundo, a solução seria, claro, acabar com ele, lançando na miséria metade da população.

    O que seria o paraiso do direitalho.
    Espertos…