Igreja alerta para 400 mil novos pobres

A Igreja faz um alerta para os problemas causados pela pandemia. O bispo de Leiria-Fátima, António Marto, chamou esta semana a atenção para os “400 mil novos pobres que esta pandemia de Covid-19 fez”, considerando “um desígnio nacional” apoiá-los.

0
784

“Há um desígnio nacional a que somos todos chamados diante dos 400 mil novos pobres que esta pandemia fez”, disse o cardeal António Marto na missa dominical celebrada no recinto do Santuário de Nossa Senhora de Fátima, distrito de Santarém.

“Acudir a estas pessoas, não lhes ficar indiferente é um desígnio nacional”, reforçou o cardeal, recordando que, do ponto de vista da doutrina católica, este “desígnio nacional” é visto como “compaixão e misericórdia real e concreta” à qual não se pode “fechar os olhos”.

António Marto citou um documento da Comissão Nacional Justiça e Paz, organismo laico da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), segundo o qual estes números revelam “um aumento de 25 por cento da taxa de pobreza e um aumento da desigualdade de nove por cento”, o que deixa Portugal “entre os cinco países da União Europeia com maior risco de pobreza”, realçou.

O prelado deixou críticas à comunicação social, que considerou estar “entretida com outras histórias e não deu relevo” a esta situação de novos pobres.

António Marto sublinhou a necessidade de uma “amizade com Cristo”, que se concretiza no ouvir “a Sua palavra”, em “ajustamentos concretos” na vida do dia-a-dia, para “se ter um estilo mais evangélico”, num “revigorar da fé” e no “entusiasmo e força para a missão”.

“O convite que Jesus faz aos discípulos, para um repouso, é o mesmo convite que Jesus nos dirige em Fátima através da sua mãe”, afirmou o cardeal, que vincou que não se deve ir a Fátima “por turismo”, mas ao encontro da Virgem Maria.

“Precisamos de facto deste encontro, que requer distanciamento da agitação da vida quotidiana, do turbilhão de emoções que enche o nosso coração, um distanciamento do ruído do mundo com que somos bombardeados pelos ‘media’, e recarregar as nossas baterias espirituais”, disse. “A peregrinação a Fátima é como um banho num oásis de frescura, em que nos refrescamos: aqui buscamos a paz da alma que Jesus nos pode dar”, acrescentou.

No Santuário de Fátima realizou-se a celebração da bênção das fitas dos alunos finalistas do Instituto Politécnico de Leiria. Segundo dados do Santuário, mais de 800 finalistas estiveram no recinto de Oração, numa missa que foi presidida pelo reitor do Santuário de Fátima, o sacerdote Carlos Cabecinha.

Peregrinação de Agosto

O presidente da Comissão das Conferências Episcopais da União Europeia (Comece), cardeal Jean-Claude Hollerich, do Luxemburgo, vai presidir à peregrinação de Agosto no Santuário de Fátima, uma das que mais fiéis leva anualmente à Cova da Iria.

Jean-Claude Hollerich, arcebispo do Luxemburgo, de 62 anos, integra o grupo de prelados elevados a cardeal pelo papa Francisco e foi, aos 61 anos, o primeiro luxemburguês a integrar o Colégio Cardinalício. Segundo informação do Santuário de Fátima, “mantém com a comunidade portuguesa radicada no Luxemburgo uma relação de grande proximidade”.

A Comece é formada por bispos delegados das Conferências Episcopais Católicas dos 27 Estados membros da União Europeia. O bispo do Funchal, Nuno Brás, é o actual representante da Conferência Episcopal Portuguesa na Comece.

A peregrinação de 12 e 13 de Agosto ao Santuário de Fátima, e que assinala a quarta aparição de Nossa Senhora aos três videntes, nos Valinhos, em 19 de Agosto, é conhecida como a Peregrinação dos Emigrantes.

Este ano, as peregrinações aniversárias terão como tema o mote do ano pastoral – “Louvai o Senhor que levanta os fracos” – e insere-se na dinâmica para os próximos três anos, período em que o Santuário estará sintonizado com a preparação da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), prevista para 2023 em Lisboa, procurando responder aos novos desafios pastorais colocados pela pandemia.

Para presidir às três principais peregrinações internacionais aniversárias do ano foram convidados três cardeais – Tolentino Mendonça (Maio), Jean-Claude Hollerich (Agosto) e Sérgio da Rocha, arcebispo de Salvador da Baia e primaz do Brasil (Outubro), que têm em comum o facto de terem sido elevados a cardeal pelo papa Francisco e integrarem o grupo de eleitores mais novos num futuro Conclave. ■