O Executivo liderado por António Costa prepara-se para passar um cheque de cinco mil milhões dos nossos euros à CGD, mas não quer que os deputados saibam porquê. Entre os documentos em causa exigidos pela Assembleia da República encontra-se a lista de maiores devedores em incumprimento – algo que se revelou uma autêntica “caixa de pandora” deixada em legado pelo Governo de José Sócrates.

O banco do Estado gasta, e nós pagamos. Mas pagamos por quê? Isso é que não sabemos, pelo menos ainda não. Em troca do cheque chorudo que os deputados, em nome dos portugueses, vão enviar para recapitalizar a Caixa Geral de Depósitos, o que foi exigido foi que se conhecesse detalhadamente a razão para a Caixa precisar de mais dinheiro.

A saber: as informações que os tribunais decidiram que a Caixa tem de entregar são a lista detalhada dos 50 maiores devedores à instituição, incluindo a informação sobre quem decidiu atribuir esses créditos; a lista dos 50 maiores calotes e o plano para reaver o dinheiro (caso exista); uma lista dos 50 grupos económicos que mais devem ao banco do Estado; a lista de quem deve mais de cinco milhões de euros à CGD; e ainda uma lista de quem tem calotes superiores a um milhão de euros.

António Costa e Mário Centeno, no entanto, rejeitaram imediatamente a ordem da Justiça, considerando o ministro das Finanças que a revelação de tais informações representa “uma quebra de confiança irreversível num negócio que assenta nesse pressuposto”, tendo apelado para o Supremo Tribunal de Justiça no sentido de desobrigar o Governo de abrir mão dos preciosos dados.

  • Leia este artigo na íntegra na edição impressa desta semana.
COMPARTILHAR
  • Miguel Frias

    É para isto que eles vão para a política para roubar-nos por todos os lados e enquanto o enfoque for o futebol e outras comédias e o encolher de ombros for regra eles continuam a ter o caminho livre