Um outro olhar sobre Angola

0
419

Andam mil e uma vozes a clamar contra a nossa “elite” político-económica por causa dos negócios com Isabel dos Santos, mas, por uma vez, a nossa “elite” (mantenhamos as aspas) está relativamente inocente.

Se não, vejamos, sem qualquer cinismo: Isabel dos Santos é, como se sabe, filha de José Eduardo dos Santos, até há pouco tempo o omnipotente Presidente de Angola; durante todo esse tempo, Isabel dos Santos foi, por isso, muito mais do que uma Embaixadora; foi a máxima representante político-económica do Presidente de Angola, o mesmo é dizer, do MPLA, o mesmo é dizer, do próprio regime angolano.

Face a essa condição de Isabel dos Santos, fechar-lhe a porta na cara seria de um paternalismo intolerável. Sim, em privado, até poderíamos – e deveríamos – pensar que o “seu” dinheiro era suspeito. Mas, tendo o aval do próprio regime angolano, como o dizer em público? Como lho dizer cara a cara, sem com isso afrontar a soberania de Angola?

Se algum “pecado” cometeu a nossa “elite” político-económica, foi apenas o “pecado original”. Sim, falamos do modo como se processou a “descolonização exemplar”. Alegadamente em nome da liberdade, Portugal permitiu (para dizer o mínimo) regimes de partido único em todos os países que descolonizou. A partir daí, deu-se o inevitável: a apropriação estatal dos meios de produção acabou por beneficiar a elite dirigente. Angola foi apenas mais um exemplo – ainda que, reconheçamo-lo, um exemplo particularmente extremado.

Mas, face a isso, pouco mais haveria a fazer. A história não é um jogo de computador – não se pode voltar atrás e recomeçar de novo até acertamos na melhor opção. Após esse “pecado original”, reiteramo-lo, não nos cabia desqualificar os representantes políticos e económicos de Angola. Só o próprio regime angolano o poderia fazer, como agora o fez, relativamente a Isabel dos Santos. Por isso, também só agora a nossa “elite” político-económica pode, enfim, fechar-lhe a porta na cara, sem que esse gesto constitua qualquer afronta a Angola. ■

Agenda MIL – 3 de Fevereiro, 20h, na Câmara Municipal de Angra do Heroísmo: Apresentação do Livro MIL “Ferreira Deusdado: Pensamento e Obra” | 5 de Fevereiro, 18h30, na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva (Braga): Apresentação da Revista NOVA ÁGUIA nº 24 | 2 de Março, 10h-18h, no Centro Regional do Porto da Universidade Católica Portuguesa: Colóquio “Ângelo Alves: Obra e Pensamento”, com as seguintes comunicações: ÂNGELO ALVES E O CENTRO DE ESTUDOS DO PENSAMENTO PORTUGUÊS | Arnaldo de Pinho; SENTIDO DO PROJECTO ONTOLÓGICO DE ÂNGELO ALVES | António Braz Teixeira; O PONTO DE PARTIDA DA ONTOLOGIA DE ÂNGELO ALVES | José Acácio Castro; OS TRANSCENDENTAIS NA ONTOLOGIA DE ÂNGELO ALVES | Manuel Cândido Pimentel; ÂNGELO ALVES E O ARGUMENTO ONTOLÓGICO | Manuela Brito Martins; ÂNGELO ALVES E O PROBLEMA DO ATEÍSMO | Samuel Dimas; O SISTEMA FILOSÓFICO DE LEONARDO COIMBRA À LUZ DO PENSAMENTO E OBRA DE ÂNGELO ALVES | Afonso Rocha; O IDEALISMO GNÓSTICO DO PENSAMENTO PORTUGUÊS NA LEITURA DE ÂNGELO ALVES| Paulo Samuel; DIÁLOGO COM ÂNGELO ALVES, A PROPÓSITO DA OBRA “A CORRENTE IDEALÍSTICO-GNÓSTICA DO PENSAMENTO PORTUGUÊS CONTEMPORÂNEO” | Renato Epifânio; SAUDADE, DEUS E OS PARENTES DE DOM QUIXOTE: ÂNGELO ALVES E A METAFÍSICA DA SAUDADE DE PASCOAES| José Pedro Angélico; CONTEMPLAÇÃO E ACÇÃO: “AS MARAVILHAS DE DEUS NA VIDA E APOSTOLADO DE SÍLVIA CARDOSO”, DE ÂNGELO ALVES | José Almeida; ONTOLOGIA E TEOLOGIA NO PENSAMENTO DE ÂNGELO ALVES | Jorge Teixeira da Cunha.