Costa com Orçamento à esquerda e à direita

Com a geringonça desengonçada e perante um Parlamento com representantes de dez partidos, o primeiro-ministro aposta num Orçamento do Estado com variantes que lhe permitam negociar em todos os tabuleiros.

0
476

O primeiro excedente orçamental em Democracia, de 0,2%, é a grande novidade do Orçamento do Estado para 2020, tendo António Costa deixado em aberto o apoio parlamentar ao documento com o maior número possível de hipóteses, tendo em linha de conta a nova realidade de uma Assembleia da República com representantes de dez partidos.

Percebe-se que houve o cuidado de integrar no OE medidas que vão ao encontro do desejo de vários partidos, e que na discussão na especialidade ainda se poderá contentar as várias bancadas parlamentares e assim negociar apoios expressos, ou pelo menos abstenções, que viabilizem o documento. António Costa olha para a sua esquerda, para o PCP, BE e PEV que integraram uma geringonça hoje desmantelada, mas também para uma solução de salganhada que passa por reunir o apoio dos três deputados do PSD da Madeira, juntando os quatro do PAN e ainda a deputada do Livre.

A proposta de Orçamento do Estado apresenta a menor variação das contas públicas desde que Mário Centeno é Ministro das Finanças, considerando a diferença de três décimas entre o défice estimado para este ano (0,1 %) e o saldo antecipado para o próximo ano (0,2%).

Centeno deixou ainda um aviso sério aos partidos, com especial recado para os da ex-geringonça: se quiserem avançar com medidas que impliquem uma séria quebra de receita – como a baixa do IVA da electricidade para a taxa de 6% – vão ter de explicar aos portugueses as escolhas que querem fazer, dizendo o que cortam noutros sectores para conseguir a neutralidade fiscal.

• Leia este artigo na íntegra na edição em papel desta semana já nas bancas