Eng. Rui Sanches: Um exemplo de cidadão e de governante

0
1058

Numa época em que oportunistas e ‘parvenus’ se alcandoram a posições de mando político para se banquetearem à mesa do orçamento, a figura de Rui Sanches destaca-se como um modelo de serviço a Portugal. Vale a pena recordar a sua figura, o impressionante currículo que o impôs como governante, a obra imensa que deixou e a verticalidade com que enfrentou os ‘revolucionários’ que o maltrataram e escorraçaram, após o 25 de Abril.

Comemorou-se no passado mês de Abril os cem anos do nascimento do Engenheiro Rui Alves da Silva Sanches (1919-2009). Para os mais antigos e para aqueles que estão atentos ou são conhecedores da história recente de Portugal, o Engº Rui Sanches foi o último Ministro das Obras Públicas e Ministro das Comunicações do Governo de Marcello Caetano, deposto em 25 de Abril de 1974.

Atrevo-me a dizer que esta afirmação, apesar de verdadeira, peca pela escassez de referência à figura do Engº Rui Sanches, apesar de naquela época não ser qualquer um que era nomeado Ministro. Ao contrário do que acontece hoje, cujas nomeações são por compadrio ou filiação partidária, antes do 25 de Abril havia que ter curriculum e provas dadas de competência e honestidade.

Os mais novos, lamentavelmente, desconhecem o Engº Rui Sanches, por culpa das autoridades que, propositadamente, não perpetuam Homens que são o exemplo do que é dedicar a vida à causa pública, do que são Valores e Princípios. 

Muito mais do que Ministro das Obras Públicas e Ministro das Comunicações – um excelente Ministro, diga-se – foi um exemplo do que é Servir o País e uma referência do que deve ser um Funcionário Público. Toda a sua vida, excepção ao período em que se viu obrigado a exilar-se no estrangeiro, exerceu a sua actividade em prol do País, cuja dedicação, empenho, profissionalismo e competência foram paulatinamente reconhecidos através das constantes promoções e distinções de que foi alvo ao longo da vida.

• Leia este artigo na íntegra na edição em papel desta semana já nas bancas