Novos relatórios revelam o estado de abandono a que chegaram as forças armadas europeias, especialmente as portuguesas. Em caso de um conflito, pouco evitaria que uma Rússia ressurgente derrotasse todas as Nações do Leste em poucos dias. Um alerta vermelho contra o total desinvestimento nas forças armadas que está a decorrer no velho continente.

Tropas russas a invadirem a Europa? A ideia quase sugere uma cena de um filme barato de Hollywood num Portugal acomodado, mas é uma possibilidade assustadora no resto da Europa, e os militares preparam-se para todas as possibilidades. Ainda para mais, num momento em que a conflituosidade com a Rússia alcança novos níveis.

Nos últimos meses, alguns países preferiram optar pela segurança. A “pacifista” Suécia voltou a reintroduzir o serviço militar e aumentou drasticamente o orçamento castrense. Os franceses vão reforçar em 40 por cento o orçamento das forças armadas, e o liberal Presidente Macron anunciou que vai trazer de volta o serviço militar obrigatório face à falta de efectivos. No mar, o Reino Unido está a rearmar a Royal Navy com novos navios.

Quase todos os países-membros da NATO estão a levar a sério as novas ameaças e a necessária reforma dos seus contingentes militares. Todos, excepto o Portugal de António Costa

  • Leia este artigo na íntegra na edição impressa desta semana.