Novas investigações mostram que muito do sucesso económico da Alemanha dos últimos anos foi construído na base dos “esquemas” e da mentira. Cartéis, ilegalidades, publicidade fraudulenta, comércio que ignorou sanções internacionais, tudo tropelias que os alemães fizeram enquanto insultavam os portugueses de todas as formas e feitios durante a nossa hora de dificuldade.

A imagem impoluta que a Alemanha quer preservar está a entrar em colapso: o país de Angela Merkel enfrenta escândalo após escândalo. Na última semana foi revelado que durante duas décadas os fabricantes automóveis germânicos operaram um esquema de cartelização, com o objectivo de omitir informação aos clientes, bem como reduzir a força dos restantes competidores, tanto na Europa como fora dela.

Segundo uma investigação dos jornalistas da revista “Der Spiegel”, os líderes de empresas como a Volkswagen, a BMW e a Daimler (mais conhecida como a dona da Mercedes) reuniram-se frequentemente para determinar preços, decidir padrões técnicos, partilhar tecnologia e ainda monopolizar fornecedores, tudo de forma a beneficiar a indústria alemã em detrimento, inclusive, dos ditos “parceiros” europeus.

A posição dominante da Alemanha no mercado industrial europeu significa que o cartel terá conseguido evitar o fornecimento de certas peças aos restantes fabricantes europeus, evitando a sua comercialização a preços mais baixos.

Hipocrisia germânica

Esta não é a primeira vez que os fabricantes alemães são acusados de usar cartéis para garantir sucesso no mercado. A MAN e a Daimler, por exemplo, foram apanhadas pelas autoridades num esquema para manter o preço dos camiões artificialmente elevados.

  • Leia este artigo na íntegra na edição impressa desta semana.