Um Príncipe da Igreja

0
570

Poeta, sacerdote e professor, José Tolentino de Mendonça será dentro de um mês recebido no Colégio Cardinalício por decisão do Papa Francisco. Tem um percurso de intelectual brilhante e uma notoriedade pública invulgar, depois de inúmeras presenças televisivas.

O anúncio de que Portugal ia ter um quinto Cardeal foi feito pelo Papa Francisco após o ‘angelus’ do passado dia 1, na Praça de São Pedro, em Roma. O Arcebispo português José Tolentino de Mendonça vai ser consagrado Cardeal no Consistório do próximo dia 5 de Outubro. O também Bibliotecário do Vaticano torna-se assim o sexto cardeal português nomeado no século XXI e o terceiro a ser designado no actual pontificado.

O madeirense junta-se aos cardeais José Saraiva Martins, Manuel Monteiro de Castro, Manuel Clemente e António Marto. José Policarpo, elevado à dignidade cardinalícia em 2001, faleceu entretanto em 2014. 

Ascensão fulgurante
José Tolentino Calaça de Mendonça, hoje universalmente admirado como Príncipe da Igreja, nasceu em Dezembro de 1965 em Machico, ilha da Madeira, destacando-se desde muito cedo como sacerdote, professor e poeta. Ordenado sacerdote em 1990, estudou Ciências Bíblicas em Roma. De regresso a Portugal, foi professor e capelão na Universidade Católica, em Lisboa, onde dirigiu a revista ‘Didaskalia’, editada pela Faculdade de Teologia.

Iniciou, então, o seu envolvimento nos trabalhos da hierarquia católica ao dirigir o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, que o catapultou para membro do Conselho Pontifício da Cultura, em Roma. Nunca descurando a carreira académica, José Tolentino de Mendonça foi Fellow na Universidade de Nova Iorque, integrando uma equipa de investigadores convidados a aprofundarem o tema “Religião e Espaço Público”. Em 2012 foi designado vice-reitor da Universidade Católica Portuguesa.

• Leia este artigo na íntegra na edição em papel desta semana já nas bancas