EVA CABRAL

É “a balda total” e “um regabofe”: com eleições à vista, a geringonça resolveu facilitar a vida aos “pobrezinhos” que recebem Rendimento Social de Inserção mas podem ter carros de luxo, barcos de recreio ou até aviões!

Os socialistas sempre foram defensores da subsídio-dependência. O Rendimento Mínimo Garantido (RMG) foi obra de Paulo Pedroso – entretanto caído em desgraça no caso de pedofilia que levou Jorge Sampaio a decapitar igualmente Ferro Rodrigues – e a ideia base é que cada cidadão, quer trabalhe quer não faça nada, tem direito a que o Estado o sustente com os impostos de quem paga.

Depois da queda de Paulo Pedroso, e já com a balbúrdia instalada no RMG a que acediam inúmeras pessoas sem direito ao ainda que muito contestado subsídio, foi um executivo do PSD/CDS que veio a apertar a malha ao “fartar vilanagem” criado pelo PS, sem que no entanto tenha acabado com o regabofe. Este mudou para Rendimento Social de Inserção (RSI) e começou-se a dificultar a vida aos muitos que vigarizavam o sistema.

Entre estes, os tradicionais ciganos (no dizer ‘politicamente correcto’, “cidadãos de etnia cigana”) que recebiam grandes quantias atendendo ao número elevado da prole, e continuam a retirar as raparigas da escola mal estas são menstruadas, promovendo o seu casamento com seniores, mal podem.

  • Leia este artigo na íntegra na edição impressa desta semana.